Um segundo por dia da viagem, em vídeo

3 comentários

Nós mal voltamos pro Brasil e não paramos enquanto não terminássemos um projeto pessoal que durou toda a volta ao mundo: gravar um segundo significativo a cada dia de viagem, pra montar um vídeo de tudo isso junto. Ainda vamos organizar nossos backups e todas as fotos que tiramos no último ano, mas enquanto isso aproveite pra ter uma idéia do que vimos! O vídeo tem legenda em português e inglês no Youtube inclusive:

Se preferir um estilo mais natural, tem o vídeo cru com o áudio original e sem edição alguma, só a colagem dos segundos em um arquivo só mesmo.

Para os curiosos e mais nerds, até tentamos montar o vídeo usando um dos vários apps estilo “one second everyday” que tem pra celulares, mas eles só serviram mesmo pra cortar os trechos de um segundo a cada dia. Na verdade, nem isso direito faziam, já que os segundos com o acúmulo de dias não ficou mais preciso, variando pra mais e pra menos… e no fim das contas um terminal com tela preta salvou a pátria de novo. Fiz um script que hackeava o banco de dados do programa 1SE.app pra iPhone (com jailbrake) pra não ter marcas d’água do programa nos segundos e nem o logotipo deles no fim do vídeo, um absurdo se parar pra pensar que eu paguei por ele e não devia ter meus vídeos sujos. Daí foi só usar um mencoder aqui, um ffmpeg ali e pronto. Efeito de cor e imagem botei no iMovie e a música em loop eu fiz na raça no Audacity.

Pronto! :-)

Melhores e piores da nossa volta ao mundo

4 comentários

…ou os Grandes Prêmios Voltamundistas! No fim da viagem começaram a nos perguntar que lugares mais gostamos, onde não voltaríamos jamais, o maior problema que enfrentamos, a comida mais gostosa e tal, então numa conversa num barco (acho) fomos brincando de ver se concordávamos nas escolhas e saiu essa lista! Visitamos menos de 10% dos países que existem, mas já dá uma idéia do que se vê no mundo :-)

Certificado de vitória de cada lugar!

Certificado de vitória de cada lugar!

Melhor país pra relaxar: Tailândia :-D

Melhor país pra aventuras: Nepal, com uma menção honrosa pra África do Sul

Pior viagem que fizemos: Nepal pra Dani (de Kathmandu até o início do Circuito Annapurna em Besi Sahar) e no Egito (de Hurghada até Cairo de ônibus) pro Caio

Melhor cozinha: Espanha com folga, mas a França não perde muito em qualidade de ingredientes pra cozinhar em casa

Melhor prato que comemos: Moussaka na Grécia, embora um dal bhat nepalês com momos bem feitos dá água na boca!

Melhor transporte público: Suíça, mas a Espanha é páreo duro por ser bem boa e bem mais barata

População mais amigável: Grécia, fácil e sem pensar duas vezes!

Melhor relação de custo e benefício: Tailândia e África do Sul empatadas

Lugar com as melhores paisagens: Nepal em um empate técnico com a Nova Zelândia (dois extremos: um barato e outro caro)

Melhor infraestrutura de hospedagem: África do Sul tem albergues bons e baratos em todo canto, mas países asiáticos só perdem pela qualidade

Lugar mais estressante de todos: Egito

Melhor país pra mochileiros: Tailândia imbatível desde sempre nisso, com menção honrosa pra França por ter muito couchsurfing

Pior país pra mochileiros: Nova Zelândia, sim… contra a opinião geral, a não ser que você tenha muito dinheiro ou muito tempo pode se frustrar a cada curva lá

Maior surpresa no roteiro: Espanha, país incrível que não é muito bom de marketing

Maior decepção: Nova Zelândia, extremamente cara quase a ponto de não valer a visita se a Austrália hoje não fosse ainda mais cara

País pra voltar de novo só se for de graça: Singapura, ou talvez nem de graça

País pra voltar de novo no futuro: Grécia ;-) 

Aguardando ansiosamente por uma outra oportunidade de viajar pra distribuir mais “prêmios” voltamundistas pros outros 90% de países que não visitamos :-D

Houston we’ve had no problems

Sem comentários

Originalmente a parada no Texas deveria durar apenas algumas horas em uma conexão de volta pra casa, mas resolvemos ficar uns dias na cidade pra com a mais absoluta certeza TER que visitar a NASA, e no fim das contas fizemos muito mais que esperávamos e nos divertimos muito. Houston é estranha em alguns aspectos, mas não é o “fim do mundo” sem nada pra fazer como muitos pensam. Como já conhecíamos as duas costas dos EUA, o miolinho texano cairia bem agora.

Smurfs em Houston

Smurfs em Houston

Nossos couchsurfers foram até nos pegar no aeroporto, um mimo inestimável numa cidade na qual sem carro você não faz muito por ser tudo ridiculamente distante e separado por auto-estradas largas e ruas sem calçada. Eles são brasileiros e moram há pouco tempo no país então foi legal pra eles matarem saudade de pessoas e pra gente foi uma ótima companhia pra nos acostumarmos ao Brasil novamente, digamos. Conversamos muito juntos, comemos de tudo e brincamos (loucamente) com a cachorra deles. Foram um amor de couchsurfers pra encerrar nossa experiência surfando sofás com chave de ouro.

Uma girafa comportada no zoológico

Uma girafa comportada no zoológico

Com eles fomos no Zoológico da cidade inclusive. Dizem que todas as cidades perto tem um, mas o de Houston é bem bom até. Por 15 USD vale a pena porque se vê de tudo. Até um javali tentando transar sem sucesso com um tronco, mas bombando corajosamente mesmo assim. A couchsurfer era doutora e trabalhava no Instituto Butantan, então foi muito legal ouvir as explicações dela especialmente sobre os répteis! Em algum lugar de Houston tem um restaurante típico que supostamente é de 1800 e tantos, e enchemos o bucho comendo lá e começamos a ver os tipos de chapéu e andam de caminhonetes enormes que tem pela região em um bar local.

A parte final da nossa temporada em Houston foi novamente em um quarto do Airbnb. Como queríamos visitar a NASA, ficaria mais fácil ficar agora próximos do centro onde tem algumas poucas linhas de ônibus. O quarto do Airbnb era tipo hotel luxuoso, impressionante mesmo, perfeito pra dormir até mais tarde e muito bem antes de… hmm desculpem a repetição, voltar pra casa :-)

Pra realizar um sonho de infância e ir na NASA (talvez sonho menor só do que assistir um foguete ou ônibus espacial ser lançado), foi até mais fácil que pensávamos. O centro da NASA em Houston, o famosão dos filmes, fica completamente fora da cidade. No sudeste de Houston quase perto do mar eles tem uma área enorme e pra chegar lá de carro é uma linha reta porém longa, de ônibus pesquisamos e descobrimos que no centro você pode pegar o ônibus 249 que ele irá parar na porta. Pra voltar, pega o mesmo ônibus, mas se for depois das 3PM tem que ser o 246 e trocar de ônibus em um mini terminal antes de entrar na cidade. Não tem erro e custa entre 1.25 e 2 dólares a depender da linha. É a sua melhor alternativa na cidade do carreto. É tanta caminhonete enorme com passageiros únicos que eu acho que eles são especializados em carretos, só pode.

Valeu cada momento de espera na viagem pra ir na NASA. Se soubéssemos que era tão grande e com tanta coisa teríamos ido assim que o sol nasceu pra ver tudo com calma, mas chegamos perto das 11AM e tivemos que ir embora às 4PM, então algumas coisas vimos só superficialmente mesmo aproveitando horrores no que deu tempo.

Entrando no centro de comando histórico da NASA

Entrando no centro de comando histórico da NASA

Pegamos o passeio de trem interno deles que passa pelos prédios oficiais da NASA, não somente pela área de visitantes. Fomos em frente de prédios operacionais deles, pelos de manutenção onde tem tanques de nitrogênio líquido enormes, por onde processam as comidas pra ir pro espaço e até por um memorial com árvores e placas dos astronautas que já morreram em missões. E ah, entramos nos melhores prédios sim!

NASA! PORRA! NASA!

NASA! PORRA! NASA!

A primeira entrada foi já no mais aguardado, no centro de comando histórico da NASA. O original, o clássico! Aquele desde as primeiras missões Gemini, dos pousos na Lua com Apollo, alguns ônibus espaciais etc por cerca de 40 missões. É um lugar preservado com hardware original dos anos 60 até, ninguém pisa na sala, só se pode ficar atrás do vidro onde ficavam os familiares, militares e políticos durante as missões. Foi realmente emocionante ver as mesas e painéis de operações, um cara explicou todos os detalhes e aceitava perguntas inclusive.

No prédio onde mexem em protótipos e astronautas treinam em equipamentos

No prédio onde mexem em protótipos e astronautas treinam em equipamentos

Depois fomos até o prédio onde os módulos de treinamento para astronautas, principalmente os que vão pra estação espacial. O lugar onde fazem mergulhos simulando baixa gravidade é restrito, mas entramos no galpão enorme e alto com uma réplica supostamente funcional e tamanho real da ISS. Vimos cápsulas de pouso também, uma réplica de treinamento do Canadarm e curiosamente em umas três partes do galpão havia coisas jogadas com logotipos da SpaceX. Pelo jeito eles trabalham bem próximos mesmo.

Módulos de treinamento da ISS

Módulos de treinamento da ISS

Havia também uns robôs protótipos e vários hovers em estágios variados de acabamento, que pelo que falaram são apenas experimentos pra eventuais futuras missões. O mais legal mesmo, pra mim Caio, foi ver pessoas de verdade trabalhando ali, conversando perto dos equipamentos, andando pelo lugar arrastando carrinho disso ou aquilo, não era só pra turista ver :-)

Saturn V visto da ponta onde fica a cápsula de pouso

Saturn V visto da ponta onde fica a cápsula de pouso

Pra terminar o passeio de trem descemos no Rocket Park, onde tem vários foguetes no lado de fora na grama e um galpão gigantesco com um foguete Saturn V real dentro. Ele tá posto deitado pra você atravessar o galpão vendo ele inteiro, tirando foto de cada pedacinho. Os estágios dele estão desconectados, então dá pra ver bem onde se juntariam e dá até pra ver os motores de cada um deles. Da pontinha onde ficava a cápsula de pouso, olhar pra trás até os motores principais dá até um arrepio. É muito grande, cara. Muito mesmo, simplesmente absurdo o que fizeram tantas décadas atrás. Um puta feito de engenharia e ciência impressionante de ver ao vivo.

DSC_3046

Ainda meio que na metade do Saturn V!

O centro espacial em si onde turistas podem circular à vontade não é tão grande. Além de uma réplica “real” de um ônibus espacial que estão montando no estacionamento (pra exibir em 2015), o lugar tem poucas salas. Elas, contudo, são muito legais é claro.

Não é o Daft Punk, são os trajes antes e após a Challenger

Não é o Daft Punk, são os trajes antes e após a Challenger

Tem a Starship Gallery onde mostram num telão um filme sobre o ínicio dos programas espaciais com o púlpito real onde o Kennedy fez o famoso discurso pra se ir à lua. Depois você vê vários artefatos de todas as fases dos programas, inclusive russos! Muito bacana, e no fim ainda tem um tipo de caixa forte, aparentemente falsa mas toda de metal etc com pedras e pós lunares. Ali pude encostar na minha segunda, a primeira foi na Nova Zelândia :-D

Réplica do Skylab que dá pra entrar dentro

Réplica do Skylab que dá pra entrar dentro

Uma outra sala muito foda lá é a Blast Off. É uma sala escura com caixas de som e graves altíssimos e lá mostram um filme de lançamento de um ônibus espacial pra você sentir o poder dos motores. Assim que termina aparece um funcionário pra dar uma apresentação dos status das missões em Marte, com filmes e maquetes que mostram pras pessoas. Falando em funcionários, todos eles usam trajes de vôo, é engraçado.

No meio do saguão principal tem uma réplica de cabine de um ônibus espacial onde você podia entrar pra ver o ponto de vista dos astronautas, tanto olhando pra trás no painel e ver o bagageiro da nave quanto pra frente e ver os controles e janelas e assentos!

Cabine de um ônibus espacial

Cabine de um ônibus espacial

Aproveitamos muito mesmo, um dos dias mais felizes do ano pra mim, Caio. Foi só uma pena as mochilas e nosso dinheiro não serem suficientes pro que queríamos levar das lojas da NASA, entulhadas com tudo o que você pode imaginar relacionado ao espaço. Até os trajes de astronautas tem lá e foi duro resistir, pense, eu poderia usar um em casa, completamente aceitável vai :-)

Na noite anterior de viajar pro Brasil ainda encontramos o Diogo que também era de Curitiba e amigo nosso mas mora na cidade há alguns meses. Os pais dele cruzaram o país de carro pra visitá-lo e fomos todos em um churrascão texano tradicional, estilo costelão. Matamos a vontade de carne, com um molho bem diferente, pelo jeito Tex Mex como dizem. Estávamos prontos pra voltar pra casa agora, todas as vontades foram feitas à tempo!

Posts anteriores