Parada rápida em Valência

1 comentário

Pra ser bem sincero não estávamos esperando muita coisa da nossa visita em Valência. A cidade é reconhecidamente pequena, e era uma parada rápida (nos nossos termos) de quatro dias até Madrid vindo de Barcelona. Era pra ser mais um pit-stop mesmo. Mas ficamos extremamente surpresos porque a cidade é pequena mesmo, mas bem bonita. Foram quatro dias bem aproveitados, apesar do calor do último andar do inferno com humidade no máximo :-)

Praia de Malvarrosa de noitinha

Praia de Malvarrosa de noitinha

Sentimos esse calor assim que chegamos, porque nosso couchsurfer estava fora da cidade e chegaria à noite. Como era domingo, achamos que dava pra ficar morgando no parque da cidade (spoiler alert! spoiler alert! esse parque é foda, mais sobre ele em breve!). Deu tempo até de assistir um filme no computador, quando não estávamos espantando as moscas que tem ali. E ali. E ali também. Em todos os lugares tem moscas acumulando em você. Nisso Valência nos lembrou o Egito, algo não muito lisonjeiro.

Tudo melhorou quando nosso couchsurfer chegou e descobrimos que (além de ser um pouco tímido por não falar inglês, mas bastante simpático) ele morava apenas 2 quarteirões da beira da praia, na região de Malvarrosa! Rá! Ele nos levou pra conhecer toda a marina de noite, que é realmente bonita, porém em número de turistas só dá pra comparar com Barcelona. Os preços das coisas eram visivelmente para britânicos pagarem em libras e não pra locais. No caminho vimos muitos artistas de rua e uns 3 construindo esculturas enormes de areia. Na real a praia toda é tão boa que passávamos parte do dia ali, não só porque tinha wifi grátis, e depois íamos pro centro etc. Olhando de longe o mar é idêntico ao de qualquer praia brasileira, mas com poucas ondas. O que muda mesmo é quão quentinha a água é, parece uma piscina levemente aquecida, é perfeito demais! Não parece nada de surpreendente num primeiro momento, mas com o calor que faz lá, não dava vontade de sair do mar, super raso por pelo menos uns 50 metros pra dentro d’água, incrível.

Outra surpresa valenciana foi a comida. Já tínhamos provado churros espanhóis (ou as porras calientes, como chamam) em Viladecans e Castelldefels, mas por insistência do couchsurfer provamos o que tinha perto da casa dele, na lanchonete de uma francesa. El Mundo de Katy, algo assim. Rapaz… aquele conseguiu ser o melhor mesmo. O churros na Espanha (ou porras, que é maior que o churros mas é a mesma coisa no fim) sempre é servido com chocolate quente cremoso, e diabéticos podem morrer só de olhar pra ele, mas é uma delícia de manhã cedo. Dani ficou louca e apaixonada por horchata, uma bebida feita de amêndoas, leite e canela, uma cópia descarada do sahlab árabe que tomamos no Egito mas bem mais leve e servida bem gelada. O sahlab é bebida de inverno, horchata é pro verão, digamos.

Dani diz... a horchata em Valência é servida com fartóns, umas mini baguetezinhas doces bem leves que você molha na horchata pra comer e… ops, desculpa, babei!

Não dava pra ir pra cidade onde a paella foi inventada e não provar a paella valenciana também né: a variação deles é feita com frango, coelho, um tipo de caracol, vagens, feijão branco e alcachofra. Escolhemos um lugar bacana perto da praia (meio caro, mas bem recomendado por fazer a paella na hora), e gostamos muito da qualidade, mas a variação de frutos do mar ainda vence! Pro azar da Dani não deu pra provar a tal Água de Valência, o drink deles feito com suco de laranja e outras coisas.

Atrás da catedral

Atrás da catedral

Reservamos um dia inteirinho para visitar a cidade velha porque ela é toda grudada nuns quarteirões distantes de onde estávamos, mas essa foi a parte decepcionante da cidade. Olhando no mapa parece tudo grande e cheio de atrações, mas na verdade é um ovo e dá pra conhecer tudo em 2 horas.

Centro de Valência

Centro de Valência

O Mercat Central é a parte que mais vale a pena, em alguns aspectos consegue sem esforço ser melhor do que o La Boqueria de Barcelona, principalmente por ter muito menos turistas. Não ouvimos inglês nenhuma vez lá, se serve de baliza. A parte de frutos do mar do mercado é impressionante, se gosta :-)

Mercat Central

Mercat Central

A melhor coisa de Valência, que é o que mais compensa a visita, é o parque do rio Turia e a Cidade de Artes e Ciências.

Essa foto não faz jus ao parque do rio Turia

Essa foto não faz jus ao parque do rio Turia

Várias quadras poliesportivas, skatepark com gente de BMX, parque de diversões, lagos, trocentos jardinzinhos e as pontes originais do rio, uns 29 km de ciclovia e ainda corta a cidade toda, ou seja, qualidade de vida acessível pra todos os pontos da cidade! Sério, foi tacada de gênio desviar um rio que alagava a cidade e no leito antigo fazer um parque super verde pela cidade toda. Eu diria que é da mesma categoria do Central Park.

Roda gigante saindo do meio do parque do rio Turia

Roda gigante saindo do meio do parque do rio Turia

No final do parque, ou seja, quase quando o rio original chega no mar, existe a CAC, que é a Cidade de Artes e Ciências, e motivo de piada pra qualquer um porque custou uma fortuna e ainda não se pagou depois de tantos anos. Fomos só pra entrar no planetário, só pra variar um pouco, mas chegando lá a surpresa foi tamanha que queríamos gastar todo o dinheiro indo nos museus e exposições e aquário e, e… e…

Acesso ao CAC em frente ao museu e espelho d'água

Acesso ao CAC em frente ao museu e espelho d’água

Puta que pariu, que lugar lindo. Absolutamente futurista, tudo. Arquitetura do CAC todo lembra cenários de Star Trek.

Jardim superior do CAC, topo do planetário na direita

Jardim superior do CAC, topo do planetário na direita

Pra compensar que não pudemos ir no Oceanógrafo, fomos pra um show do planetário que era sobre recifes, e não nos arrependemos. Bom, eu Caio preferiria ver um show sobre constelações, mas o The Last Reef sobre fundo do mar foi emocionante, tenho que admitir. O trecho inicial é de dar uma soluçadinha, comparando com cenas grandes cidades humanas e imagens de recifes ultra populosos.

Ágora e o Oceanógrafo no fundo, detalhe na escala da construção

Ágora e o Oceanógrafo no fundo, detalhe na escala da construção

Como não podia deixar de ser, em Valência ainda fomos pra mais uma experiência gastronômica! Nosso couchsurfer tinha um amigo uruguaio e outro brasileiro e fomos todos pra um bar de pintxos, que é meio difícil explicar o que é. Pense em bares que vendem “comidinha” e competem pra ver quem faz a “comidinha” melhor, mas essa “comidinha” é sempre do tamanho de um bocado, e pode ser qualquer coisa feita com ingredientes espanhóis. É extremamente delicioso porque se prova de tudo, e não é tão caro, algo como 1,50 cada. Não é como tapas que geralmente vem junto com a bebida, são um nível acima digamos. Parecem canapés, mas maiores e mais bem feitos. Parecem sanduíches, mas menores. Parecem torradas com algo em cima, mas muito melhor. Parecem chiques, mas nem são, são populares. Foi bem divertido e, claro, delicioso… pra lembrar bem de Valência!

Barcelona, e arredores na Cataluña

Sem comentários

Mal chegamos em Barcelona e já tivemos que sair da cidade! Estávamos loucos pra chegar na Cataluña, todos que já visitaram Barcelona nos recomendavam ela, mas nosso primeiro couchsurfer na região morava em uma cidade perto, Castelldefels. Lá ficamos durante o fim de semana, e a cidade até que é fofinha, pequena mas com uma praia enorme e calçadão cheio de turistas aparentemente endinheirados. Diz a lenda que é uma cidade onde vários jogadores do Barcelona e artistas tem casa…

Nosso couchsurfer foi bem simpático, fã de UFC e lutas com uma boa dose de TOC de limpeza e organização, nos levou pra um tour de meio dia por Barcelona pra estarmos acostumados com a cidade quando ficássemos sozinhos. Inclusive nos levou pra uma barraca de sandubas espanhóis em Castelldefels que rapaz… santas salsichas espanholas! Experimentamos morcilla, é claro, uma linguiça alemã genérica e o tal pincho moruno que é sensacional!

Barcelona!

Barcelona!

Em Barcelona mesmo fomos pra um albergue perto da Zona Universitária, por 4 dias. Foi ótimo pra descansar um pouco, mesmo sendo dormitórios com 8 pessoas e o prédio estando lotado de gente louca pra encher a cara e farrear. É fácil saber quem está na cidade pra gastar dinheiro: levanta às 5PM, sai às 10PM, volta às 7AM. Como conhecem a cidade com esses horários eu nunca vou entender, mas talvez conhecer os bares seja conhecer a cidade e eu não sabia :-)

Sagrada Família somente do lado de fora

Sagrada Família somente do lado de fora

Se bem que temos que admitir que conhecer Barcelona foi mais difícil que pensávamos. Tudo é muito caro, a cidade é abarrotada de turistas em todas as regiões em volta de “atrações” por assim dizer. Em bairros mais distantes, que andamos à pé, parecia uma cidade fantasma, mas um formigueiro no centro turístico. Some isso com os preços ridiculamente abusivos para entrar nos lugares e entende-se como é uma cidade tão rica.

Mar de gente na La Rambla

Mar de gente na La Rambla

Por exemplo, para andar naqueles ônibus turísticos? São 3 linhas, cada uma é 26 euros. Sagrada Família? Outros 14 euros. Estádio do Barça? Mais 23 euros. Pra entrar na Casa Batlló do Gaudí? Pra adultos, 20 euros cada. Teleférico de Montjuïc? Mais 10 euros. E isso são os lugares mais óbvios e clássicos pra visitar. Se quiser conhecer mais ainda a cidade, vai somando e não pare! É ridiculamente caro se comparada a qualquer outra cidade européia turística! É o lugar mais caro pra turistas na nossa viagem, até agora, fácil. O pior é que é tão cheio de gente que não faz sentido cobrarem tanto, a não ser pelo fato que sempre tem algum gringo disposto a pagar o que for, afinal está em Barcelona… uma pena, tivemos que conhecer a cidade do lado de fora dos lugares. Ah, mas dá pra conhecer sem entrar em nada? Claro que dá! E foi bastante divertido :-)

Parc Güell

Parc Güell

Pegamos um dia pra andar pela cidade toda, do leste ao oeste até a frente da Sagrada Família, e ir vendo prédios do Gaudí. Vimos a Casa Vicens que ele construiu, sem turista algum porque é isolada no meio dos bairros e porque a visitação é proibida (é propriedade privada). Fomos andando também até o topo do Parc Güell, da onde se pode ver a cidade inteira lá embaixo, até o mar. Vista muito bonita, que acho que só perde pra vista do alto do bunker, ali perto, mas que acabamos não visitando.

Mercadão La Boqueria

Mercadão La Boqueria

Andar pela La Rambla é fantástico, é muito bonita e ponto de acesso pra outras dezenas de lugares interessantes, como o Bairro Gótico, a catedral e La Boqueria, o mercadão municipal deles. O único problema da La Rambla é o mesmo da cidade como um todo: a quantidade absurda de turistas. Sério, não é implicância, juro. É um mar de gente que não tem fim, acaba perdendo o charme um pouco, mas vale a pena.

Centrão perto das galerias de artes do Bairro Gótico

Centrão perto das galerias de artes do Bairro Gótico

O mesmo vale pro Bairro Gótico, que é bonitoso pelos prédios históricos e bem antigos, mas é mais bairro que gótico se é que me entende. Ah, em dias de semana parece ter um mercado de pulgas em frente a catedral que merece uma visita, fomos no sábado e numa segunda lá, então não sabemos exatamente se tem em outros dias.

Passeio pelo bairro gótico no fim do dia

Passeio pelo bairro gótico no fim do dia

Andar pela orla de Barcelona também é um baita passeio. A cidade é abarrotada de parques, grandes e pequenos. Alguns deles ficam na orla ao leste do porto e marina, onde ficam as praias. Foi longo o passeio ali pelo calor infernal e humidade no limite, mas a praia parecia muito boa. Infelizmente não fomos pra praia lá :-(

Fonte do parque central, Ciudadela

Fonte do parque central, Ciudadela

Falando em parque, o Parc de la Ciutadella é incrível! Acho que fomos lá umas três vezes, pra fazer picnic, passear, e até tirar uma soneca e filar um wifi grátis. O centro do parque tem uma fonte muito bonita que o Gaudí ajudou a fazer aparentemente. O melhor do parque também é que saindo por um lado se tem a praia, por outro o Bairro Gótico, e se bobear sai de frente pra uma passarela longa e muito bonita com o Arco do Triunfo da cidade, lindíssimo. Acho até que é mais bonito que o de Paris…

Arco do Triunfo de Barcelona

Arco do Triunfo de Barcelona

Como estávamos há mais de 1 semana em Barcelona, resolvemos dar uma abusada e nos inscrevemos em um aula “show” de culinária pra aprender a fazer tapas, sangria e paella. Foi 19 euros por pessoa e acho que valeu a brincadeira, embora não ache que foi uma aula propriamente. Foi excelente pela quantidade de bebida e comida de ótima qualidade que tava incluída, e ver o cara fazer uma paella de frutos do mar enorme na minha frente do começo ao fim foi animal! Repetirei em casa, no Brasil, cof cof. As tapas ficaram muito boas, especialmente pelo presunto pata negra que comi até cansar, e a sangria da Dani que tava sempre sendo reposta :-)

Mas pra não parecer reclamões, o transporte em Barcelona e nas cidades em volta é impecável e quase perfeito. Integrado com bonde e ônibus e com trocentas linhas e trocentas estações com trens passando em média a cada 3 minutos. Sério, se não fosse o metrô seria impossível aqueles turistas mais apressados conhecerem a cidade em um fim de semana só. Nos 9 dias ali pegamos alguns passes T10, que são 10 viagens com preço reduzido (10 euros no total), e elas incluem também os trens metropolitanos, bem chiques e com 2 andares que servem cidades dentro da zona metropolitana principal. Vale muito a pena.

Ruazinha de Sitges

Ruazinha de Sitges

Foi nesse esquema inclusive que fomos até Sitges em um passeio de um dia fazer picnic na beira da praia e ver as ruazinhas da cidade. Não resistimos nada e gastamos uma grana comendo torrones espanhóis numa chocolateria lá. A cidade é vista como uma mini Ibiza e parece ser bem solta, leia-se gay friendly. Mas um dia só com muito calor e pouco dinheiro não foi suficiente pra conhecê-la direito eu acho. Enfim, com o mesmo trem fomos pra Viladecans, onde ficamos outros 3 dias com um casal muito simpático e cheio de amigos do couchsurfing.

Viladecans é uma cidade bem pequena, quase vila, mais próxima de Barcelona que as outras que vimos e ficamos, mas é bem pacata. Nossos couchsurfers viviam relativamente no centro e perto de um parque de cachorros muito legal. Todo dia lá pelas 8 íamos pra lá levar os 2 cachorros deles pra passear e encontrar os amigos de focinho deles, um grupo de umas 6 ou 8 pessoas muito gente boa. Foi bem divertido ficar com eles, fomos até num show de mágica numa espécie de cabaré com todos no sexta à noite, fechado com muitas tapas baratas de madrugada, no centro, é claro :-)

Acordar na casa deles era sempre engraçado. Cada dia um cachorro diferente veio fazer graça, quando não era a Aria, a furão fêmea que eles tem e por quem me apaixonei perdidamente! Acho que nos dias que ficamos lá eu tinha praticamente só o cheiro dela nas mãos, de tanto que brincávamos. Eles tinham também uma cobra píton que não gostava muito do cheiro da furão. Inclusive vimos ela ser alimentada com ratinhos, hmm. Além desses bichos eles ainda tinham 2 lagartos dragão amarelos, cucas frescas que não ligavam pra nada.

Se não fosse por esse casal de Viladecans nossa experiência com couchsurfing na Cataluña teria sido meio sem sal. Pena mesmo foi ter ficado tão pouco tempo ali, mas os dias no albergue no centro de Barcelona não foram nada maus também, é que é outro mundo poder cozinhar pra amigos (lasanha de beringelas e abobrinhas parecem horríveis de olhar, mas ficam boas!) e conversar sobre planos em comum. Eles estão indo pro Kenya e adoraram ouvir nossos planos pro Nepal, quem sabe não se animam sobre os tickets RTW que mostramos pra eles ;-)

Visitando Avignon e Arles na Provença

Sem comentários

Chegamos em Avignon num dia de sol forte que prometia derreter a gente. Nosso ônibus parou do outro lado do rio Rhône, na cidade nova, e tivemos que cruzar suando muito duas pontes sobre o rio e o centro de Avignon até chegarmos no nosso couchsurfer. Até lá deu pra ver bem o desenho da cidade, é um antigo feudo com burgo mesmo, com canais ou rios em volta, um muro largo e alto que contorna a cidade toda, e uma colina com castelo no centro. Voltamos pra Idade Média :-)

Fortaleza de Avignon no centro

Fortaleza de Avignon no centro

Uma coisa boa de Avignon e outras cidades francesas turísticas é que existe wifi grátis quase em todo canto por uma parceria da SFR e da Fon, que faz o Fonera. Se tiver como, arrume um usuário e seja feliz conectado em todo canto, e em Avignon não foi diferente.

Logo que escureceu nosso couchsurfer quis dar um rolê pela cidade, que é minúscula, pra vermos como era. Andamos em zigue-zague pelo centro e fomos até o castelo, onde ele mostrou de longe a montanha que tem uma vila onde a mãe dele ainda mora. Fechamos indo no Utopia, um tipo de bar alternativo que tem um cinema independente ou meio hmm… utópico, e só passa coisas regionais parece. E tivemos nosso primeiro nojo: jantamos num boteco chinês tremendamentme imundo, com pratos sujos sendo servidos e tudo…

Região do nosso couchsurfer, a entrada era pelo beco detrás

Região do nosso couchsurfer, a entrada era pelo beco detrás

Nosso couchsurfer vive num quarto e cozinha, mas foi incrível por insistir que dormíssemos no quarto dele e ele ficaria no chão da cozinha. Em troca limpamos o apartamento dele uma tarde e ele ficou todo sorrisos até irmos embora :-)

Quem não tem janelas caça com quadros delas

Quem não tem janelas caça com quadros delas

Avignon é bonita, mas tem cara de destino caro pra gente chique. Andamos por dentro e fora dos muros, pelo centro todo, de dia e de noite, e talvez fôssemos os menos endinheirados. Se bem que faltou mesmo dinheiro pra roda gigante que devia ter uma vista linda, pena. Acabamos nem indo na tal ponte famosa da cidade, a inacabada, é ridícula demais pra tanto! Cobram 13 euros para andar numa ponte pela metade, curtíssima, só porque é medieval. Eu adoraria ter ido nela pra ver, mas acham que temos cara de idiotas.

Uma das passagens pra entrar na cidade pela muralha de pedra do castelo :-)

Uma das passagens pra entrar na cidade pela muralha de pedra do castelo :-)

Já na região central onde fica o castelo tudo é muito bonito. Lá no alto tem um parque bem aconchegante com visão quase completa da cidade, a iluminação dali é bem bonita e de noite sempre tem algum músico perto e lá embaixo na entrada da praça tem um carrosel simplesmente lindo, bem decorado, de contos de criança mesmo. Ali inclusive tivemos nosso jantar romântico na França! Mariscos, batatas e pato au poivre, enquanto um coral de velhinhos cantava na mesa do lado aparentemente comemorando alguma coisa :-)

Owwnnn

Owwnnn

Decidimos fazer um bate e volta em Arles, uma cidade mais ao sul do rio Rhône, coisa de 20 minutos de trem de Avignon (7 euros por pessoa para cada trecho). Se tiver a grana vale a pena, Arles é bem mais jeitosa que Avignon e parece um pouquinho mais turística “para as massas” porém ao mesmo tempo mais autêntica. A cidade tem trilhas de rua pra fazer, e quando soubemos que Van Gogh morou lá e vários dos quadros são locais de Arles… hooray! Batemos perna pela trilha dele vendo os lugares das pinturas o dia todo.

Café que o Van Gogh pintou

Café que o Van Gogh pintou

Não achamos a Casa Amarela, mas pela localização foi destruída e hoje é um comércio. O tal Café à Noite da praça é tão fácil de achar e famoso que hoje tem o nome do Van Gogh, e todos querem tirar uma foto ali é claro. Mas é muito legal! Fomos andando até mais pro subúrbio tentar achar o Antigo Moinho, mas sem sucesso. Jardim Público foi fácil achar mas eu não lembrava ou nem conhecia o quadro e fiquei perdido com o ângulo pra tirar uma foto parecida.

A travessa de pedestres, bem menos futurista que no quadro...

A travessa de pedestres, bem menos futurista que no quadro…

A travessa de pedestres, que no quadro parece futurista, é bem banal hoje em dia. Dá até tristeza ver os carros passando numa ponte tão feia. A orla do rio é bonita mesmo e dá pra ter uma idéia do Noite Estrelada Sobre o Rhône, mas estávamos de dia né, então ficamos com um picnic ali na beira com direito a queijo rústico francês e tudo. Cof cof, chique, cof cof.

Hospital onde o Van Gogh foi internado pelo orelhacídio

Hospital onde o Van Gogh foi internado pelo orelhacídio

Hospital de Arles onde ele ficou internado e pintou o pátio é massa! Bem movimentado com cafés e restaurantes e várias lojas de souvenires, dá pra ver bem como é o original. O que deu trabalho mesmo foi a Ponte Langlois onde Van Gogh pintou as lavadeiras e a própria ponte outras vezes. Tivemos que andar bem além da trilha demarcada já que ele marcava só até uma ponte nada a ver. Dali ainda eram outros 30 minutos andando pra fora da cidade na borda de uma rodovia. Foi bacana pela paisagem diferente, mas morremos de cansaço. A recompensa? Me diz se valeu a pena, eu fiquei emocionado na hora :-)

Ponte Langlois! Um dos melhores quadros do Van Gogh, finalmente!

Ponte Langlois! Um dos melhores quadros do Van Gogh, finalmente!

Arles tem vários monumentos romanos também, incluindo uma arena tipo o Coliseu de Roma mas em escala menor. Por ser no meio do nada (embora antigamente a região fosse importante militarmente), a arena é bem foda, bem localizada e a preservação dela é incrível, mas pra quem entrou no Coliseu fica difícil comparar e não vimos motivos pra pagar a entrada, só vimos em volta por fora. Idem pras outras ruínas romanas da cidade.

Ruazinha de Arles com a arena romana no fundo

Ruazinha de Arles com a arena romana no fundo

A única coisa ruim da região de Avignon e Arles foi termos encontrado, e dividido o sofá do nosso couchsurfer por 2 dias, com 2 freeloaders, ou seja, gente que usa o couchsurfing só pra economizar e não pra ser viajante e interagir. Casal de britânicos na casa dos 20 anos, bem porra louca meio hippies sujos estudantes de teatro, nem nosso couchsurfer foi muito com a cara deles. Mas não precisamos aturar muito já que Avignon e Arles agora eram passado, tempo esgotado e rumo a Espanha!

Saúde around the world

4 comentários

Quando se viaja pra longe e por tanto tempo, é certo e natural que coisas dêem errado em algum ou vários momentos. Só que tem uma coisa que nos causa um medinho especial: ficarmos doentes.

Quando falo de ficar doente, não me refiro a uma gripe, enxaqueca, prisão de ventre, joelho ralado, essas coisas passam com um remedinho básico ou uma boa dose de paciência, senta e espera. Estou falando aqui de malária, febre amarela, sarampo, difteria, mal de altitude… aí o bicho pega!

Após algumas pesquisas, descobrimos que existe uma clínica aqui em Curitiba especializada em medicina do viajante! Nos consultamos com o Dr. Jaime Rocha e gostamos bastante das dicas e das preocupações dele, que agrupamos no resto deste post :-)

Remédios

“Não mãe, não dá pra levar a farmácia inteira dentro da mochila” :-P

Embora a gente possa ter 365 tipos diferentes de incômodos, muitos deles são suportáveis sem ser necessário utilizar medicamento. A dica é focar em dois grupos de remédios: os de sempre e os de nunca.

Os remédios de sempre são aqueles que nunca faltam na sua casa e que você costuma tomar, para os incômodos que você tem com frequência. Eu tenho crises de rinite de tempos em tempos, então estou levando o remédio que eu tomo habitualmente. O Caio tem enxaquecas e está levando o remédio “preferido” dele.

Caio diz... que fique registrado que por mim só levaríamos os remédios realmente pra casos extremos, remédio de dor de cabeça é demais…

Os remédios de nunca, são aqueles que seu médico vai receitar e que é importante você levar, mas você torce pra eles voltarem fechadinhos e você doar para algum hospital. Na nossa lista estão remédios para diarréia brava, vômito estilo exorcista, crise alérgica forte, candidíase e cistite. Não quero não, obrigada :-)

Uma palavra muito importante: receita! Uma sacolinha cheia de remédios é um prato cheio para aquele mala te barrar na entrada de algum país. Por isso, peça para seu médico fazer uma receita em inglês dizendo que é seu médico, que você estará viajando por um período longo de tempo e que por isso precisa carregar os remédios X, Y, Z.

Vacinas

Nessa parte, o médico do viajante foi essencial. Em nossa primeira consulta, levamos para ele a lista dos países que iríamos visitar, ele identificou os principais riscos e pediu uma lista gigantesca de exames de sangue, pra saber a quais doenças já éramos imunes. Em nosso retorno com os exames em mãos, ele nos receitou as vacinas de febre amarela, febre tifóide, difteria e tétano (dupla), sarampo, caxumba e rubéola (tríplice) e hepatite A.

Caio diz... malandro… foi foda, mas se é pra fazer, vamos fazer direito né

Para nossa sorte e saúde financeira, grande parte das vacinas que o médico receitou é fornecida pela rede pública. A única parte chata é que algumas delas precisam ser tomadas no mesmo dia ou com um intervalo de 30 dias entre elas… como não tínhamos 30 dias dando sopa pra tomar separadamente, precisamos encarar 3 picadas no mesmo dia e uma semana inteira parecendo que tinhamos sido atropelados por um trator (dor de cabeça, dor no corpo, febre leve). Não é o fim do mundo, mas já se prepare pra isso, dica de amigo :-)

Pra quem não pretende se consultar com o médico do viajante, o jeito é pesquisar na internet pra saber a quais riscos estará exposto. Esta lista de riscos por destino tem informações úteis e pode ajudar.

Água

Água era uma preocupação grande na viagem, principalmente pra mim, Dani, que bebo água o tempo todo. Na maioria dos países da Europa, tomar água da torneira é aceitável e seguro, mas nossos destinos incluem países onde essa segurança não existe.

A primeira opção (e a mais em conta) para os locais onde a água não é potável são as pastilhas purificadoras à base de cloro. Elas eliminam os principais microorganismos causadores de doenças, mas não não são eficazes contra vírus e, dizem, deixam um gosto na água (não sei dizer quanto, ainda não testei).

A segunda opção é a garrafa com filtro acoplado, que decidimos comprar. A nossa é da Katadyn e tem um filtro de 3 estágios (contra vírus, bactérias, protozoários e cistos) e promete melhorar o gosto devido a um filtro de carvão ativado. O preço é salgado, pagamos R$ 280 (nunca pensei que pagaria quase trezentos reais em uma garrafa de água!), mas pareceu uma solução mais simples: é só pegar água de qualquer lugar, até de uma poça de água, e beber.

Caio diz... acho a Katadyn tosca, bico horrível, vai quebrar… e isso foi pela Dani que é uma esponja com água, eu sou mais camelo (corro 10km sem água, não ia sentir falta a não ser no Nepal)

Seguro de Viagem

Na hora de escolher o seguro viagem, é preciso pensar que mesmo com as vacinas, remédios e preocupações com prevenção, você pode acabar tendo uma úlcera enquanto estiver no Nepal ou descobrir uma pedra no rim na Tailândia. Um seguro bom é aquele que tenha um número de telefone fácil de ligar, que garanta que vai atender você no local onde você estiver e, se tudo o mais falhar, te trazer de volta pra casa. Pra tomar a nossa decisão, levamos em consideração os valores da cobertura para assistência médica e odontológica por evento, assistência farmacêutica, expatriação (no caso de doença grave ou morte), seguro de bagagem extraviada e, logicamente, o preço do seguro.

Tentamos um patrocínio do BB Seguros, que infelizmente acabou não rolando, e então partimos para analisar as demais opções, algumas apresentadas pelo nosso agente de viagem e outras que encontramos pela internet. Analisamos as empresas Coris, GTA e World Nomads (a preferida dos gringos). As coberturas das 3 pareceram bem similares e acabamos desempatando pelo preço mesmo. Quem levou foi a Coris, e pagamos R$ 1.232 por pessoa para o plano advance anual, com uma cobertura de 9 meses.

Assim como qualquer outro seguro, só vamos descobrir se ele realmente vale a pena na hora do aperto. Esperamos que esse dia não chegue, mas se chegar contamos aqui como foi!

E na prática?

Agora que estamos viajando por pouco mais de três meses, e já estamos no segundo continente, podemos dizer melhor o que funcionou ou não de cuidados com saúde. Definitivamente você vai querer viajar com mais remédios pra diarréia. Achamos muito três caixas e trouxemos uma só e já praticamente tá no fim e a viagem ainda tá nos 30%… faz as contas e verá que um país mais sujo (como Egito) acaba com remédios.

Dores de cabeça são comuns também, acho que mais que o normal porque você anda o dia todo sob o sol e tal, mas dá pra comprar nos lugares se precisar muito. A não ser que a dor de cabeça venha junto com alguma alergia. Com alguma frequência a Dani tem ataque de alergia (rinite) e tá usando bastante o remédio dela pra isso, então é bom se tivéssemos trazido uns extras porque tão acabando já.

É isso :-)

Quanto custa dar a volta ao mundo?

9 comentários

No primeiro post sobre planejamento, mostramos a ferramenta que criamos para determinar nosso orçamento para a viagem, para te ajudar a determinar o quanto você vai gastar na sua. Você não desistiu e ainda quer viajar, né? O que pretendemos agora é escancarar nossos gastos e mostrar o quanto estamos gastando na nossa viagem!

Caio diz... algo que sempre me incomodou vendo sobre RTW é que virtualmente ninguém diz números exatos: quanto gasta, quanto custa, nada de nada, é um saco. Então quisemos abrir o livro mesmo, se é pra ajudar ajudamos direito
Se não leu o primeiro post, recomendamos que pare e leia rapidinho pra não se perder. Vai lá, clica aqui pra lê-lo, a gente espera.

Gastos antes da viagem

Os gastos de uma viagem obviamente começam antes mesmo de sair de casa. Como já comentamos no post sobre as passagens aéreas, nós optamos por comprar o bilhete RTW ao invés de ir comprando os trechos conforme a viagem fosse acontecendo. O bilhete de ônibus pro giro na Europa também foi desembolsado antes de sairmos. Além disso, compramos roupas próprias para a viagem, apetrechos, botas, vacinas, mochilas… vai somando pra ver! Os custos detalhados do bilhete RTW está no post específico dele, os custos de vacinas e seguros de saúde falaremos em breve num post sobre isso também. Os custos e rotas do ônibus pela Europa também virará um post, fiquem frios :-) Ou seja, pra começar a brincadeira e podermos colocar os pés no aeroporto, gastamos cerca de R$ 37.000 para o casal. Sem contar as despesas que não são da viagem mas são operacionais, como procurações, caixas pra nossa mudança, mil táxis pra resolver as pendências antes da viagem porque não tínhamos carro, festinhas de despedidas e alguns imprevistos também. Os gastos da passagem aérea e dos ônibus na Europa foram pagos em dólares no final de 2012 e começo de 2013, quando o dólar comercial estava abaixo de R$ 2.05. Hoje (julho de 2013) o dólar está acima dos R$ 2.25, o que faz esse valor ficar um pouco mais alto do que pagamos na época.

Dani diz... até o final da viagem, no começo de 2014, o dólar turismo bateu R$ 2.52. Nessa época mal sabíamos o que nos esperava!

Gastos em viagem e nosso controle diário

Ser um mochileiro dando uma volta ao mundo é um emprego! O melhor emprego que poderíamos ter, não tem como negar, mas ainda assim é trabalho pra caramba. Apesar de nosso “escritório” mudar o tempo todo, a gente nunca consegue relaxar e nos desligar do planejamento, sempre tem uma atividade pendente: procurar o próximo sofá, escrever os posts (que o Caio considera compromisso pessoal), organizar os custos, fazer uma pesquisa de como chegar naquela nova cidade etc. Uma das planilhas que está sempre aberta no nosso notebook é a de controle diário. E é diário mesmo! Temos um caderninho que levamos sempre com a gente onde quer que a gente vá, e nele anotamos tudo o que gastamos, desde um sorvete até uma passagem de trem mais cara para outra cidade, com precisão de centavos às vezes. Chegando em casa a gente lança esses gastos na planilha e classifica entre alimentação, hospedagem etc.

Caderninho mágico dos números, note a mudança de lugares

Caderninho mágico dos números, note a mudança de lugares

Putz, mas vale a pena tanto trabalho? Acredite, vale! Já aconteceu em vários momentos de chegarmos na metade do tempo de estadia em um lugar e vermos que estamos gastando demais em alimentação, segurar o ritmo, e conseguir fechar a cidade dentro do esperado. E também já aconteceu o contrário, de descobrirmos que dava pra dar uma abusadinha porque “sobrou” um pouco. Se fossemos esperar a gente sair da cidade pra ver o tamanho do rombo ou sobras, com certeza ficaríamos meio perdidos!

Afinal, qual nosso orçamento total pra viagem?

As nossas previsões até agora foram certeiras, e em alguns casos (como a Grécia), foram até conservadoras. Isso nos dá segurança para afirmar que o nosso orçamento esperado para a viagem toda, visitando todos os continentes em 10 meses e com certo conforto, é cerca de R$ 72.000 82 mil reais para o casal. Isso já contando os R$ 37.000 que gastamos antes de sair de casa. Acabamos extendendo a viagem devido a uma renda extra que tivemos com o aluguel do nosso apartamento e com isso alteramos o orçamento, que também reflete a alta do dólar que flutuou muito durante o ano e nos fez perder um bom dinheiro. Desses 82 mil, 5% sumiram pra bancar a variação do dólar.

Caio diz... por pessoa, 41 mil reais pra dar a volta ao mundo não parece muito pra mim, é totalmente possível se não tiver disperdícios de dinheiro
Chegamos nesse valor com todo aquele planejamento através da Planilha Master e ele inclui, além dos custos básicos, atividades maiores como saltar de paraquedas na África do Sul, o curso de mergulho e certificação PADI que pretendemos fazer na Tailândia e um salto de parapente na volta para a Suíça ou no Nepal (ainda não decidimos onde vale mais a pena pela paisagem). Um dos nossos principais desafios para este ano está sendo a alta do dólar e do euro. Sabíamos que isso poderia acontecer, mas é meio desesperador ver o seu dinheiro diminuir dia após dia, pois quando compramos dólares a primeira vez pagamos 2.10 da cotação turismo e na última recarga o valor já era de 2.36. Em resumo, estamos vendo o nosso dinheiro sumir nas conversões e sem saber que rumo isso pode tomar daqui pra frente, mas mesmo assim estamos conseguindo fazer a viagem caber dentro do mesmo orçamento! Qualquer futuro desvio no orçamento ou furo nas finanças sabemos que é pela variação cambial e não culpa nossa pelo menos.
Caio diz... o que ajuda é não entrar em pânico, flutuação cambial não pode ser controlada pela gente na estrada, azar, tem que rebolar mesmo e torcer
O ponto importante que dá pra tirar dessa alta inesperada do dólar é que sempre dá pra apertar, sempre dá para viajar por menos. Na África do Sul pagamos por quartos privados em albergues porque a diferença era pouca, mas poderíamos ter ficado em quarto compartilhado e economizado alguns dólaresinhos, o nosso salto de paraquedas poderia não ter acontecido, o jantar mais chiquetoso em Roma também não… mas ainda sim estaríamos fazendo uma viagem de volta ao mundo.
Caio diz... isso impacta no custo da volta ao mundo: você viaja pra gastar em coisas ou pra vê-las? Dependendo da resposta fica mais caro ou mais barato :-)
Colocando na ponta do lápis, o valor de R$ 41.000 por pessoa é menor do que o valor de um carro no Brasil. Não tínhamos carro, andamos muito de ônibus lotado em Curitiba para conseguirmos hoje estar sentados no banco de uma praça muito fofinha no alto de um castelo em Avignon, no sul da França, escrevendo este post. Sem dúvidas o esforço valeu muito a pena :-)
Caio diz... e até que gastamos muito! Se cortar todas os “extras” ainda dá pra viajar o mundo comendo arroz e pão, 30 mil seria o mínimo pra pagar a viagem pra uma pessoa
Daqui pra frente vamos mostrar o resumo dos gastos nos países que passamos até agora. Para quem quiser ver essas informações abertas por cidade, é só rolar a planilha além do resumo do país. Vamos atualizar esse post constantemente conforme formos deixando os países, então volte aqui daqui um tempo se quiser mais informações. Ah, e as informações estão em dólares!

África do Sul

Gastamos acima do planejado com hospedagem e viagens, primeiro porque não conseguimos encontrar couchsurfers ao longo da Garden Route, segundo porque perdemos 3 bilhetes de ônibus devido a uma greve dos motoristas e tivemos que encontrar formas alternativas de transporte. Saltamos de paraquedas em Plettenberg Bay, o que custou 360 dólares pro casal, e fizemos um safari pelo parque de elefantes Addo em Por Elizabeth que custou 140 dólares pros dois. Port Elizabeth mostra gasto extra em viagem porque fomos de avião de volta pra Johannesburgo. Fechamos a África do Sul um pouquinho acima do orçado com 102%. Por ser o primeiro país da nossa viagem acho que dá pra nos perdoar, né?

Caio diz... os juízes da Guerra de Orçamento declaram que existe uma margem de erro de 5%!

Egito

No Egito acertamos no geral (96% do orçado), mas erramos em tudo se for analisar o conta-a-conta. Como transporte público no Egito é insano, gastamos horrores com táxis com preços super inflados. O visto para entrar no país fez estourar a conta de diversos e os pacotes turísticos que fomos “obrigados” a comprar por não ter outra opção fez estourar a conta de turismo. O que nos salvou foi termos gastado bem menos do que esperávamos em viagem e hospedagem, pois os preços são bem baixos para se viajar e se hospedar no Egito (bom, condiz com a qualidade que entregam…). Dos 23 dias que passamos lá, couchsurfamos em 9 e a média diária de 15 dólares por dia é para hospedagem em quartos privados pulguentos, pois não existem albergues de verdade por lá.

Grécia

Tadinha da Grécia, levou uma surra! Conseguimos economizar em tudo, pois surpreendentemente os preços nas ilhas foram mais baixos do que em Atenas (estávamos esperando o contrário, então férias nas ilhas gregas é chique mas é barato, vai na fé!). Conseguimos um sofá para toda nossa estadia em Atenas e pagamos quartos ou tendas privadas nas ilhas. A média de hospedagem por dia ficou em 17 dólares, 2 dólares a mais que os hotéis ruins do Egito, e ficamos em lugares muito bons nas ilhas! Visitamos Santorini e Ios e alugamos quadriciclos para conhecer as ilhas, e no final ainda gastamos apenas 76% do esperado no país.

Itália

A Itália foi sofrida para conseguir fechar dentro do orçado. Não conseguimos encontrar sofás de jeito nenhum, pelo que vimos os italianos usam o CS pra pegação. Apesar do grande número de perfis no site conseguimos couchsurfar somente 1 dia em Roma, o restante ficamos em albergues. A brincadeirinha deixou um rombo de 380 dólares em hospedagem, que conseguimos reverter segurando em alimentação e trocando as viagens que queríamos fazer para Treviso e Matera por destinos mais baratos: Napoli e Sorrento.

Caio diz... santas sardinhas e santo pão com pesto!

Suíça (1ª passagem)

A nossa primeira passagem pela Suíça foi suave, gostamos de brincar que enfrentamos o chefão! Gastamos exatamente o esperado em transporte e viagem, e teve um rombo em turismo devido a nossa subida à montanha Schilthorn, passeio que não estávamos esperando fazer e custou 100 dólares pro casal. Acabamos compensando em alimentação, pois nosso albergue tinha uma cozinha maravilhosa e conseguimos cozinhar todos os dias. O custo de 61 dólares por dia em hospedagem é para excelentes camas em dormitório compartilhado em Lauterbrunnen, pois em Zurique nós conseguimos couchsurfar.

França (Riviera e Provença)

Detonamos na nossa primeira passagem pela França: Nice e parte da Riviera Francesa, mais a região de Avignon e Arles. Conseguimos economizar bastante em alimentação comprando comida em mercado, não gastamos quase nada em turismo porque dá pra conhecer tudo de olho e conseguimos um sofá em Avignon, coisa que parecia muito difícil quando olhamos o número de perfis na cidade. Mesmo com gasto alto de transporte pra Arles, valeu a pena. No final fechamos o sul da França em incríveis 77% do orçado!

Espanha


Passamos quase 30 dias na Espanha, e 50% desse tempo foi couchsurfando, um record! Mesmo assim, estouramos um pouco em hospedagem devido aos preços de albergues no País Basco, que são bem salgados (e a qualidade deixa a desejar). Comer bem mas com pouco dinheiro foi fácil e fechamos a Espanha com uma economia de 170 dólares em alimentação e ainda assim com uns kilinhos a mais!

França (parte norte)


A nossa segunda passagem pela França foi muito tranquila por causa de Bordeaux (conseguimos um sofá nos 4 dias pela cidade) mas ficou por um fio em Paris. Levamos nosso primeiro bolo de couchsurfer, que cancelou o sofá na véspera e tivemos que reservar de última hora um quarto no único hostel disponível que encontramos, trazendo um rombo pra hospedagem. Depois do susto, seguramos bastante em alimentação mesmo indo em restaurantes e cafés e conseguimos não só compensar o buraco como fechar o país em 90%. Nada mal!

Alemanha


Estouramos um pouquinho com turismo na Alemanha mas valeu a pena passear no zoológico e planetário de Stuttgart. Em compensação economizamos um bocado com transporte que, embora seja barato lá, não utilizamos muito porque a cidade é toda andável à pé. Não refletiu muito em economia nos números, mas ficamos bastante surpresos com o preço de alimentação lá, bem mais baixo que a média européia.

Suíça (2ª passagem)


Passamos bem acima nos gastos de turismo na volta pra Suíça também, antes de irmos pra Ásia, mas na verdade já esperávamos. Queríamos muito pegar tempo bom no alto da Schiltorn, e pra isso acabamos subindo ela duas vezes! Apesar de não termos achado mais couchsurfers disponíveis pra economizar em hospedagem, a infraestrutura de albergues é excelente pra se cozinhar então compramos comida em mercados e comemos por conta própria :-)

Nepal


Haha, coitado do Nepal, não faz o menor sentido nos números. O custo de alimentação nas cidades e nas montanhas é absurdo porque eles compensam cobrando mais pra você comer ao mesmo tempo que raramente cobram pela hospedagem, então se economiza de um lado e gasta-se mais do outro. Turismo por si só não custou nada porque o país é bonito de se ver já, não tem o que gastar nisso. Enfim, a confusão parecia tão grande (e na realidade virtualmente ninguém comenta dos custos de trilhas no Nepal) que resolvemos escrever um post específico sobre isso, clique aqui e veja como funciona os custos de trilhas no Nepal pra entender melhor!

Tailândia


Transporte na Tailândia parece tão eficiente e (razoavelmente) barato que merecia melhor destaque nos números em economia, mas o que vale mesmo uma menção sobre custos no país é hospedagem. Não acredite em Hostels Worlds da vida na Tailândia, o preço ao vivo ao chegar no lugar sempre é menor, às vezes até metade. Reservar lugar antecipadamente aqui é loucura, economiza-se muito indo com a cara e coragem.

Malásia


Um efeito colateral do custo das coisas na Ásia é fazer você relaxar no dia-a-dia. Na Malásia vimos que estávamos economizando um pouco em hospedagem (ficando em bairros mais mochileiros e povão de Kuala Lumpur) e soltamos um pouco a rédea em alimentação. Demos até uma abusada indo em restaurantes e cafeterias bacanas, mas de maneira geral o país e nossos bolsos se comportaram bem!

Singapura


Desde muitos meses antes de chegarmos em Singapura, já tínhamos a expectativa de ficarmos na casa de pessoas que conhecemos no caminho da volta ao mundo, e isso se confirmou. Economizamos uma bela grana ficando com couchsurfers em uma cidade que é o equivalente da Suíça na Ásia (não só em organização, mas custos principalmente). O que foi surpreendente, porém, foi não termos estourado lá, ficamos bem abaixo no custo total esperado. Acho que aprendemos muito bem apertar o cinto quando o destino é famoso por ser caro…

Cambodia


Pela primeira vez os custos de pesquisas na internet nos falharam acho, ou não, mas enfim. Segundo pessoas online era pra gastarmos horrores em transporte por cidades no Cambodia, mas no fim das contas isso e o custo barato de hospedagens bem negociadas (padrão no sudeste asiático) nos deixou com uma boa grana extra nas mãos. Cambodia pode não ter números muito altos de economia, mas a sensação no dia-a-dia no país era de que se economiza sempre e com tudo, talvez pelos preços e moeda corrente ser dólar americano então nos controlamos bem?

Nova Zelândia


Nossos principais gastos foram com viagem, pois atravessamos o país de ônibus e depois voltamos de avião, e hospedagem, pois é bem complicado encontrar couchsurfers em um país que é quase deserto. Conseguimos compensar tudo isso economizando pra caramba em alimentação não comendo fora nunca, gastamos somente 60% do gasto esperado com comida. Gastamos horrores no país, mas pra quem conheceu 5 cidades espalhadas pelo país todo dá pra dizer que estamos de parabéns!

Estados Unidos


Nosso principal gasto foi com hospedagem, quase metade do orçamento. Pela primeira vez optamos por nos hospedar em quartos alugados via Airbnb, o que saiu um pouco caro mas garantiu tranquilidade, já que os albergues baratos ficavam sempre bem longe dos centros. Compensamos tudo isso economizando em alimentação e só cozinhando em casa. Não foi fácil lidar com tantas opções de compras no país mais consumista de todos, mas resistimos bravamente e conseguimos fechar a última parada da viagem na tampa!

E aí, qual o valor final?

Melhor que previsão é o valor real! A soma da nossa brincadeira toda por 15 países em 10 meses foi de 36.800 dólares pro casal. Esse valor convertido em reais dá mais ou menos R$ 80.000 utilizando a cotação do dólar no momento em que chegávamos em cada novo país, pra melhor precisão. Mas acabamos economizando ao longo caminho, e ficamos em 97% do orçamento planejado. Nada mal hein? Até “sobrou” :-)

Pra quem vive com parceiro ou parceira que também trabalha, e até poderia ter um carro pela renda, dá pra economizar essa quantia pra viajar sim. Viu só? Só se livrar dos pesos que dá pra realizar um sonho desses. Esperamos que abrir nossas planilhas de custos e planejamentos ajude você a viajar pelo mundo também!

Planejando gastos e despesas em uma RTW

5 comentários

Se desprender da vida rotineira e sair por aí viajando é o sonho de muita gente. Mas paisagens e fotografias à parte, esta decisão precisa ser muito bem planejada e pensada, pois na maioria das vezes ela vem acompanhada de um pedido de demissão. Se você for um ser humano comum como o casal alfanumérico e não nasceu em berço de ouro nem ganhou na loteria, isso implica em muito, muito, muito planejamento para se gastar o mínimo possível e aproveitar o máximo.

Se você fizer uma busca rápida pela internet (e se este é seu sonho você já deve ter feito isso), vai descobrir que não existe resposta exata para quanto custa uma volta ao mundo, e isso é o que faz muita gente não tirar a viagem do papel. Como se preparar para ficar sem trabalhar por alguns meses, se não anos, sem mesmo ter certeza de quanto você irá gastar neste período? É realmente uma pergunta muito difícil. Mas, queridos leitores e amigos, no que depender da gente vocês jamais ficarão sem resposta! :-)

Vamos escrever dois posts procurando ajudar quem pretende iniciar ou está no meio do planejamento de uma volta ao mundo. Neste primeiro post vamos falar de como planejamos o quanto gastar na viagem, a ferramenta que criamos e de onde vêm as informações que usamos. Na segunda parte a gente vai falar sobre o resultado de tudo isso, o controle que estamos fazendo durante a viagem e basicamente escancarar nossa base de gastos e comentá-la (finalmente, um número para a famosa pergunta “quanto custa uma RTW?”).

Planejamento

Quando se fala de um plano de viagem longo como o nosso, a única certeza que eu posso te dar é que você vai errar. A diferença entre errar muito e errar pouco é o tamanho do seu planejamento! Para estruturar melhor o nosso planejamento financeiro, eu, Dani, dividi os nossos gastos durante a viagem entre custos e despesas.

Custos são os gastos mínimos, a manutenção dos mochileiros, que vão acontecer independente da nossa vontade: comida, locomoção e hospedagem. Despesas são gastos da viagem que vão depender de quão profundamente pretendemos conhecer o país ou quanto estamos dispostos a gastar pra tornar a estadia naquele local mais interessante: transporte entre cidades, passeios turísticos, atividades especiais, almoços ou jantares em restaurantes bacanas, etc.

Dica #1: monte uma base de dados. Qualquer análise vai ficar muito mais simples se você juntar todos os custos em uma mesma planilha.

Ok, mas e as informações? Como saber quanto custa tudo isso? Para a parte dos custos, os dados que usamos foram do Cost of Living, um projeto colaborativo online que contém informações atualizadas sobre o custo de vida em diversas cidades do mundo. Com a nossa listinha de cidades em mãos, o meu nerd preferido, o Caio, montou uma base de dados só com as informações que precisávamos para alimentar a nossa Planilha Master (você vai entender mais pra frente do que se trata).

Caio diz... o CoL tem muita coisa, e em várias moedas, então escrevi um script que pega só custos chaves do lugar, sempre em dólar, e gera uma planilha automaticamente em segundos, pra Dani manipular como quiser

Antes de embarcarmos eu não sabia se o Cost of Living ia funcionar muito bem, mas o que eu posso dizer até agora, depois de 3 meses de viagem, é que o negócio é muito próximo da realidade!

Caio diz... eu sabia, eu acreditava, eu queria crer! :-)

A parte das despesas é um pouco mais complicada, pois não vai existir base de dados pronta pra isso, as informações vão surgindo a partir de muita pesquisa online. Wikitravel, Lonely Planet e blogs de outros viajantes serão seus principais aliados para essa tarefa. Se quiser, dê uma olhada nas nossas dicas e truques sobre sites úteis. Caso a informação for muito difícil de encontrar, faça uso do bom e velho chutômetro!

Planilha Master, uma planilha para todas as outras governar!

Piadinha a parte, com a base de dados montada, era preciso criar uma ferramenta de viagem que fosse rápida de consultar, flexível com datas e que tivesse informações úteis sempre à mão. O resultado foi uma planilha com uma aba por cidade puxando informações de uma base de dados de custos e de uma base de datas e destinos.

Dica #2: deixe uma coisa linkada com a outra. Faça links entre as informações de maneira que, mudando o número de dias de estadia em uma cidade, por exemplo, ele já atualize todos os dados de forma automática.

Demorou muito, mas muito tempo pra batermos o martelo no número de dias que ficaríamos em cada cidade e agora temos percebido como foi a melhor decisão fazer assim. Se tivéssemos que ir atualizando manualmente o orçamento a cada mudança, eu teria ficado louca!

Nosso modelo é o seguinte: uma aba com a lista de todas as cidades por onde iríamos passar, data de chegada e partida, uma aba com as informações úteis do Cost of Living destas cidades, uma aba com dados climáticos e uma aba por cidade juntando tudo isso.

Parece complicado? Segue um exemplo de aba pra uma cidade que puxa os dados dessas bases todas e consolida num lugar só pra consulta:

Exemplo da nossa Planilha Master, clica pra abrir!

Exemplo da nossa Planilha Master, clica pra abrir!

Esse é um exemplo de aba da planilha. As datas, temperaturas, custos de alimentação, transporte etc, são atualizadas automaticamente de acordo com a data de chegada e saída na cidade, puxando as informações da nossa base de custos e da base de datas. O saldo inicial da cidade é final da outra. Se decidirmos ficar 3 dias a mais na cidade mudamos na lista principal e plim! Tudo se atualiza. Mais simples, né? Com isso dá até pra brincar com o planejamento, mudando um dia da Suíça pra França você vê dinheiro aparecer magicamente na planilha devido a diferença de custos.

Dica #3: Defina seus parâmetros. No Cost of Living você vai encontrar o custo de tudo o que precisa para se sutentar durante a viagem, mas você já parou para pensar no que você precisa?

Se vocês repararem na planilha, a nossa alimentação durante a viagem consiste em uma refeição barata em restaurante, pão, leite, ovos e arroz. Logicamente, não estamos comendo só isso durante a viagem, mas esses foram os parâmetros que escolhemos como base para o nosso custo de alimentação. Para higiene pessoal, decidimos que iríamos gastar 20 dólares a cada 20 dias. Isso inclui sabonete que dura dias, papel higiênico, shampoo etc. Às vezes estamos gastando mais, às vezes menos, mas esse é o parâmetro que decidimos para termos como base durante a viagem.

Outro parâmetro importante é a hospedagem. Como nossa viagem tem como objetivo mochilar mesmo, estamos tentando couchsurfar o máximo possível pra ver a vida local, mas observando o número de perfis de pessoas no site é possível saber com antecedência quais são as chances de conseguir um sofá em um determinado lugar. Com base nisso, definimos quantos dias iríamos couchsurfar e quantos dias iríamos nos hospedar em albergues. O valor de hospedagem médio na cidade nós definimos com base no Hostel World.

Caio diz... o Hostel World é faca de dois gumes, sugiro ordernar pelos mais baratos mas jamais pegar o preço médio de lugares com menos de 60% de aprovação… senão é roubada, acredite

A parte de Turismo & Logística é a parte que não tem como ser automática! Aqui é onde entraram aquelas despesas com atividades específicas, definidas com base em uma pesquisa minusciosa, cidade a cidade. Pra ter uma idéia do que fazer se se sentir perdido, procure em sites como Wikitravel na seção See & Do, os tais “must see” no TripAdvisor e o Spotted By Locals. Quando não sabíamos direito o que queríamos fazer na cidade, jogávamos um valor no chutômetro mesmo… em resumo, é daqui que você vai cortar os gastos caso perceba que o dinheiro que você tem não é suficiente, heheh.

Caio diz... nunca é suficiente, nunca! Puta mundo injusto…

A segunda parte é mais informativa e bem manual, fui procurando as informações uma a uma e colocando lá: endereço da embaixada ou consulado para emergência você encontra em documentos do Itamaraty, número de couchsurfers na cidade em uma busca rápida e melhores acomodações no Hostel World a depender do seu critério pra albergues. É sempre bom ter estas informações na mão. Pronto! Tudo o que a gente precisava estava a mão em uma ferramenta flexível, fácil de atualizar e consultar. Parece complicado, mas por isso damos a dica a seguir…

Dica #4: Não desista. Eu não consigo nem contar o número de horas que passei debruçada nessa planilha desde 6 meses antes da viagem. Dá trabalho, mas vale muito a pena!

Hoje conseguimos viajar com segurança financeira, já que nosso dinheiro não dá em árvore e precisamos controlá-lo bem, e sabemos que podemos mudar os planos o quanto quisermos e em alguns minutos vamos ter uma resposta simples: cabe ou não cabe no orçamento?

Quando voltarmos pretendemos transformar nossas planilhas em uma coisa só unificada e, quem sabe, usável online por outras pessoas. No pior caso ainda como planilha mais genérica pra você montar sua volta ao mundo. Dependendo do interesse vai que acabamos fazendo isso antes do nosso retorno pra casa ;-)

No post seguinte mostramos os custos em detalhes cidade a cidade por cada país que já passamos e comentamos nosso orçamento total pro ano e pro casal na viagem!

Mochileiros pobres na cara Riviera Francesa

2 comentários

Nosso giro de ônibus pela Europa começou no sul da França, mais especificamente na Riviera Francesa (a tal região Côte d’Azur por causa do mediterrâneo). Chegamos de viagem vindo da Suíça e passando pela Itália no mesmo dia, mudanças bem legais de paisagem, e de repente vimos aquele oceano absurdo com um tom de azul mentiroso, ou “azul puta que pariu” de tão diferente dos que já vimos. Nem nas ilhas gregas vimos um azul assim, vimos que nosso tempo na região seria bacana mesmo!

Esse azul é mentira! Mentira! Photoshopado.

Esse azul é mentira! Mentira! Photoshopado.

Conhecemos nosso couchsurfer em Nice e foi duro acordar do sonho que foi sermos recebidos por ele. Ele mora na cidade velha, a região de casarões e prédios históricos de Nice, cheia de restaurantes e tavernas e padariazinhas legais. Lugar melhor impossível. Mas isso não é o tal conto de fantasia ainda. O cara falou que pra dar mais privacidade ia dormir na casa da namorada 100m dali, deixar o apartamento pra gente (um quarto e sala com varanda no topo dum prédio histórico) pelos 3 dias ali, e ainda tinha preparado o maior jantar das últimas semanas pra gente, com sobremesa e tudo, incluindo espumante pra Dani se divertir! :-D

♥ couchsurfing ♥

♥ couchsurfing ♥

Definitivamente somos muitos rabudos em relação a couchsurfers que encontramos. Santa mesa farta, Batman!

Nice

Nice é bem pequena, ao menos a parte interessante da cidade. Tirando passeios pela cidade velha, conhecemos toda a orla do Promenade des Anglais e parte da região da estação de trem onde ficamos o resto da semana em um albergue. Tem o morro Mont Boron que é bem legal com um castelinho antigo parece, é de onde tiramos as fotos do alto da cidade e pode-se ver um 360° da região quase. Ali tem uma cascata d’água e um parcão cheio de crianças brincando, talvez por ter escolas ou os professores levam em excursões mesmo.

Logo após pôr-do-sol na praia principal de Nice

Logo após pôr-do-sol na praia principal de Nice

A avenida principal de Nice, ao menos de movimento de pessoas, parece ser a Jean Médecin e arredores. Dependendo da parte ela fica meio chique com lojas famosas e uma Galeries Lafayette, mas desembocam todo mundo na praça Massena, onde é o cruzamento de tudo do centro de Nice. É onde tem o movimento mesmo, de bem cedo até bem tarde. Infelizmente nossas datas de couchsurfing não bateram com a programação da cidade… descobrimos que perdemos um festival de jazz da cidade e a passagem do Tour de France desse ano por questão de dias, além de não vermos a reforma completa dos jardins daquela parte da cidade, que seria terminada só após irmos embora :-(

Nice de noitinha, rua do palácio de óperas

Nice de noitinha, rua do palácio de óperas

De qualquer forma, o clima da cidade é bem relaxado, dá pra notar que não são o tipo francês típico e nosso couchsurfer até confirmou que eles são bem preguiçosos ali. Deve ser o mar… ou a proximidade com a Itália, que tem influência enorme na cidade. Alguns lugares ainda tem nomes em italiano, e a comida eu diria é 60% de base italiana. Meio chato pra gente isso, mas é a cultura deles. Tentamos evitar porque faltava autenticidade e sobravam preços caros, talvez pelo alto nível de grana dos turistas que vão pra cidade e tornam tudo caro sem justificativa. Pra sentirmos uma atmosfera mais diferente decidirmos visitar as vilas de Antibes e Villefranche-sur-mer, e o principado de Mônaco.

Mônaco

O hairpin famoso de F1 com a baía ao fundo

O hairpin famoso de F1 com a baía ao fundo

Mônaco é legal de passar pelo lugar, tirar umas fotos e só. Não tem absolutamente nada de especial na minha opinião. Tem uma vadiagem básica de milionários em barcos enormes, muitos turistas tirando fotos e tudo é mais caro. A única coisa legal mesmo foi dar uma volta à pé pelo circuito de F1 que é clássico e eu não podia perder. Pra ir pra Mônaco foi fácil, ônibus 100 perto da praça Garibaldi em Nice, 1 euro.

Dani diz... por custar 1 euro vale a passagem, mas se você está viajando com orçamento curto e não quer passar raiva, não vá para lá!
Mônaco ao fundo com a marina e chicane de F1

Mônaco ao fundo com a marina e chicane de F1

Antibes

Todo mundo vai acabar perguntando se fomos em Cannes, mas não… não fomos, por pura preguiça. Decidimos ir pra Antibes que tem uma história greco-romana legal e demorou mais de 1h de ônibus, com um trânsito enorme. Foi tão, mas tão cansativo que abortamos ir pra Cannes já que não sabíamos se teria nada de especial lá. O que não foi ruim, porque a praia em Antibes é pequena mas bem legal, só com locais. A região também tem um museu do Renoir e do Picasso (6 euros que não tínhamos), para quem tiver mais tempo ali. O lugar de saída pra jornada sem fim até aquele buraco é pegar o ônibus 200 perto da praça Massena em Nice, indo em direção a praia tem o ponto, 1 euro também.

Resto da riviera vista de Antibes

Resto da riviera vista de Antibes

Villefranche-sur-mer

Agora… rapaz… já Villefranche-sur-mer… Villefranche-sur-mer! A vilazinha francesa de praia que estávamos procurando! Casinhas pequenas, prédios antigos, ruas completamente vazias, e quando tinham alguém não eram turistas. Perfeito total. Villefrance fica tão perto de Nice (uns 5km do centro) que se tiver ânimo dá pra ir andando eu acho. Passando a marina de Nice é só contornar a montanha, mas é mais negócio pegar ou o ônibus 100 ou o 81 (mais vazio) perto da praça Garibaldi. É o mesmo esquema pra Mônaco, mas você desce bem antes na parada Octroi. Se der sorte vai pegar uma feira de comidas típicas ou de artesanato dependendo do dia, logo na saída do ônibus :-)

Dani diz... uma dica! A passagem é 1 euro, mas eles cobram 1,50 dos turistas. Se você entregar 1 euro para eles eles deixarão você passar, pois é o preço “local”, mas se você perguntar cobrarão 1,50
Passeando em Villefranche!

Passeando em Villefranche!

Villefranche foi tão gostoso e bonito de visitar que voltamos lá outro dia, pra aproveitar mais ainda. A vila é minúscula e encravada na encosta de uma pequena baía isolada das outras cidades. Não ficamos de noite ali, mas os preços e naipes dos restaurantes são melhores que de Nice, pena não aproveitarmos. O que aproveitamos mesmo foi a praia e andar por ali.

Praia de Villefranche, faixa de areia pequena mas mar perfeito

Praia de Villefranche, faixa de areia pequena mas mar perfeito

A praia é simplesmente perfeita, lembra um pouco as gregas mas a água é bem menos gelada e gostosa. Cara, as sonecas e lanches que tivemos ali e depois fomos mergulhar pra tirar o calor… nem te conto. Anota aí, Villefranche-sur-mer, vale uma lua-de-mel viu.

Dani diz... nem nas ilhas gregas consegui convencer o Caio a passar mais de 2 horas na praia mas Villefranche conseguiu :-)
A baíazinha de Villefranche-sur-mer e seus barquinhos

A baíazinha de Villefranche-sur-mer e seus barquinhos

Voltando um pouco pra Nice de novo, não quisemos deixar aquele marzão azul dando sopa, então pegamos um dia pra andar no calçadão e ir pra praia dali. E não é que ficou nublado bem nesse dia? Descansamos bem na praia pedregosa de Nice, altas pedras e nada de areia mesmo, mas tava frio demais pra irmos no mar nesse dia. Algumas pessoas não se importaram e entraram mesmo assim, mas não o grosso da jovenzada que frequenta a praia local. Manja “clima de azaração” com bikinis pequenos? Assim. Foi bacana até porque deu pra descansar e vadiar bem vendo os aviões pousando. Como o aeroporto é dentro do mar quase, eles passam fazendo rasante pela orla toda, bem legal.

Falando em jovenzada, Nice é tomada por americanos e britânicos no verão pelo jeito. Se você não se importar muito vale a visita, mas tem que estar preparado. A cidade toda fala inglês enrolado ou aquele sotaque britânico forte. Nosso quarto no albergue já tinha uma boa amostragem mas demos sorte porque eram todos gente boa e não tão festeiros. Conhecemos nesse tempo um casal de americanos que dá aula em Praga e são da Califórnia. Um estatístico de São Francisco que também é dançarino e trabalha no LinkedIn e uma bailarina clássica de Boston que veio estudar um programa em Mônaco. Bom pra treinar o inglês :-)

Enfim, tudo isso meio que resumiu nossos dias em Nice, que acabaram sendo nossas mini férias visto que passamos um bom tempo na Riviera Francesa mas baseados na cidade. Foram sete dias bem aproveitados no sul da França colado no mar!

Parada em Lauterbrunnen nos Alpes Suíços

Sem comentários

Finalmente chegamos em Lauterbrunnen!

Vista do quarto no albergue, cachoeira Staubbach na lateral

Vista do quarto no albergue, cachoeira Staubbach na lateral

Estávamos esperando muito pra conhecer a região dos alpes e porque também ali comeceríamos nosso giro de ônibus pela Europa continental, já que Grécia, Itália e Suíça havíamos conhecido na raça conforme queríamos. Foram 3 trens desde Zurique, total de 150 francos para o casal. O que no Brasil deixaria qualquer um em pânico (oi? viajar 3h de trem fazendo 3 baldeações?) aqui foi tudo nos conformes. Trens impecáveis, rápidos e ridiculamente no horário, claro. Fizemos parada em Berne e depois em Interlaken. A região em volta de Interlaken pareceu muito bonita, com lagos de cor claríssima pela água que desce das montanhas aparentemente. Tem bem cara e cor de água de geleira. Numa próxima vez vale passar um dia em Interlaken.

Chegamos em Lauterbrunnen após o horário do almoço, com o tempo bom mas ameaçando nublar logo. Mas mesmo nublada a região do vale por ali é indescritível. Sério, Lauterbrunnen é famosa por ter 72 cachoeiras, e fica no fundo de um vale cujos picos estão na faixa dos 3.000 e 4.000 metros, imagine! Se tem uma coisa que se ouve e vê em todo o momento em qualquer ponto da vila são as cachoeiras e o barulho que fazem.

Como havia chovido e nevado recentemente, embora seja verão, todas as cachoeiras estavam bem fortes, lindo demais. Por causa delas o Tolkien, do Senhor dos Anéis, quando visitou a região quando era jovem decidiu inventar a Valfenda, ou Rivendell, então se conhece a história consegue ter uma idéia do absurdo que é a beleza do lugar.

Ficamos no albergue Valley Hostel, que elegemos facilmente como o melhor de todos os tempos. Na nossa viagem ficar em um albergue tão bom é como tirar férias das férias. Cozinha industrial incrível pra cozinhar o que quiser, sala de café e jantar com varanda pras montanhas e resto do vale, quartos inacreditavelmente limpos e bem cuidados, tudo de madeira clara bem estilosa, banheiros e chuveiros estilo vestiários excelentes. A política de não usar calçados lá dentro ajuda um monte, já que a região é de trilhas e lama, então a limpeza se mantém. O preço não é dos melhores mas pra região, e pelo que oferecem lá, vale cada centavo de franco suíço dos 30 por pessoa por noite! Minha cama ficava no alto do quarto, isolada tipo casa na árvore, com uma janela com vista exatamente pro fim do vale e pra cachoeira que cai sobre a cidade. Sem mais comentários, um achado ;-)

E o tempo estava horrível! Nenhuma foto faz jus ao lugar

E o tempo estava horrível! Nenhuma foto faz jus ao lugar

A vila de Lauterbrunnen é minúscula, e uma caminhada é suficiente pra conhecer todas as ruas em pouco tempo. Andando pro fim da vila se chega a tal cachoeira que cai sobre Lauterbrunnen. Ela é gigante de alta, mas tão alta que a água vira um vapor antes de encostar nas casas, e acaba só molhando umas árvores perto, e dá pra entrar num túnel dentro dela!

Em um fim de tarde mais tranquilo fomos andando pela estradinha que passa pela cachoeira até mais pra fora da vila, foi bem bonito ver a luz do pôr-do-sol (lá pelas 22h) refletir nas montanhas com neve no topo trocentos mil metros acima da gente. De infra no lugar também existe um mercadinho que quebrou um galho e vários pubs lotados de britânicos, mas é possível encontrar algo mais simples e barato, como um vendedor de pão com salsicha local que achamos e não resistimos na volta pro albergue. Salsichão estilo alemão com pão FTW!

Lanchinho

Lanchinho

No albergue acabamos conhecendo um rapaz de Singapura (chinês mas morando lá há anos) bastante gente boa, ele parecia bem perdido no lugar e convidamos ele a fazer uma trilha com a gente. Nosso plano original era subir as trilhas até o topo da montanha Schilthorn de 3.000 metros, plenamente possível no verão. Só que como nevou e choveu nas semanas anteriores, as trilhas acima dos 2.000 metros estavam fechadas :-( o jeito foi subir até a vila de Mürren mesmo e usar o teleférico até o topo da Schilthorn… na brincadeira morreu 11 francos pra ir da vila até a base da montanha, e outros 46 francos por pessoa até o topo.

Foto clássica de trilha, a água tava deliciosa

Foto clássica de trilha, a água tava deliciosa

A trilha foi bem tranquila, mas um pouquinho puxada no começo porque fazia tempo que não íamos em uma montanha.

Vista constante do paredão durante o caminho

Vista constante do paredão durante o caminho

O caminho é bonito demais, as fotos não fazem jus também pelo tempo que foi fechando, mas o cheiro das flores, dos pinheiros, o ar fresco e a água gelada e pura que tomamos das cachoeiras foi foda demais. Em um certo momento encontramos um casal descendo a trilha que nos alertou sobre um trecho perigoso.

Aqui tinha uma trilha, mas o deslizamento cobriu quando a passamos

Aqui tinha uma trilha, mas o deslizamento cobriu quando a passamos

Demos uma risada entre a gente porque a trilha era fantástica e segura, e seguimos. Um pouco à frente havia um penhasco, de verdade, porque parte da montanha tinha deslizado horas antes pelo jeito. Tudo fresco, galhos recém quebrados e tudo, e de repente vejo água começando a descer se acumular numa lama. Passamos correndo bem preocupados e ficamos do outro lado olhando a montanha ficando encharcada. Foi legal pela aventura, mas um pouquinho assustador porque ela começou a deslizar assim que passamos por aquele ponto! Quase no final da trilha tivemos outra surpresa, ainda mais bizarra.

Segundos antes de sair correndo atrás da gente...

Segundos antes de sair correndo atrás da gente…

Chegamos numa encosta bem verde onde vacas leiteiras, bem típicas de comercial de chocolate suíço, estavam pastando. Um delas ficou bem nervosa com a gente passar perto dela tirando fotos (ela estava em cima da trilha, a “culpa” era dela né) e começou a vir atrás da gente. Porra, vacas pastando no alto da montanha tocando seus sinos e ainda tem a moral de nos expulsar da trilha. Moral pra elas :-)

Vista do fim da trilha :-)

Vista do fim da trilha :-)

A brincadeira toda durou 3h pra subir 1.000 metros, e quando chegamos em Mürren o tempo já estava bem nublado e a câmera ao vivo do topo da Schilthorn mostrava tudo coberto e com névoa pesada. Abortamos nosso plano do dia e voltamos pro albergue exaustos mas felizes pelas paisagens incríveis, especialmente em Mürren que fica numa posição absurda do vale, totalmente isolada no alto dos alpes. Dali vimos uns loucos passeando de parapentes também, a vista deve ser alucinante…

Chegando em Mürren

Chegando em Mürren

Ainda tentamos voltar ao topo da Schilthorn em outro dia já que na primeira tentativa foi só voltarmos pro albergue que o tempo melhorou. Fomos de teleférico mesmo, mas o dia que escolhemos pra arriscar mais uma vez estava ainda pior. Ficamos das 8 da manhã até as 4 da tarde sentados lá no topo esperando o tempo melhorar. Tivemos uma janela de 10 minutos com algum sol e céu minimamente azul, o resto foi frio, ventos fortíssimos, um gelo caindo e depois chuva gelada. Foi bem triste, mas ainda nos vingaremos dessa maldita montanha: nos aguarde Schilthorn!

Do alto da Schilthorn, num dos 5 minutos de céu aberto, mas lindo

Do alto da Schilthorn, num dos 5 minutos de céu aberto, mas lindo

Eu, Caio, fiquei completamente apaixonado pela região de Interlaken e Lauterbrunnen, é tudo o que eu esperava e mais um pouco, e isso porque o tempo estava bem feio comparado com fotos do verão de céu azul perfeito. Qualquer pessoa que gosta de boas paisagens e natureza preservada e linda adoraria passar uns dias ali também. Na realidade amamos tanto a vilazinha que já mudamos nossos planos do fim da Europa pra voltar ali antes de ir embora!

Bitoca da vitória!

Bitoca da vitória!

Como ato de despedida saí no domingo 11:30 da noite com uma garoa chata pra tirar fotos dali. De noite ela fica toda escura e você consegue ver o céu bem claro e só a cachoeira da vila fica iluminada (artificialmente, é óbvio) :-)

Lauterbrunnen à noite

Lauterbrunnen à noite

De manhã super cedo pegamos o Busabout, que explicamos melhor em outro post mas que é um tipo de circuito de ônibus para mochileiros viajando dentro da Europa. É cerca de metade do preço de um passe de trem equivalente e bem mais flexível, passando por cidades bacanas. Nosso passe era válido a partir de Lauterbrunnen, e dali começamos nossa correria pelo continente que contaremos depois!