Mundo na Panela #11: tom yam goong

Sem comentários

Senhoras e senhores preparem as línguas porque começamos a fazer receitas asiáticas cheias de pimenta. Como essa da foto abaixo, que tecnicamente é de origem tailandesa mas é uma base de sopa muito comum em todo sudeste da Ásia. Todos os países da região tem suas variações de tom yam. Tom Yam Goong (ou “tom yam de camarão”) é a que experimentamos na Malásia.

Nham :-)

Nham :-)

Por quê?

Porque a vida é muito curta pra ficar tomando sopa que não faz a sua língua derreter, cara ficar vermelha e querer pedir socorro, basicamente. Existe uma rede de cafeterias na Malásia que serve várias misturas de tom yam, caso não confie nos vendedores de rua, e foi numa delas que pela primeira vez tomamos a sopa. Acho que tomamos depois na Tailândia de novo também. O que mais nos lembramos dela é o “caramba, como arde tudo” dos primeiros bocados! É de assustar pra quem não tá acostumado, mas acredite que é muito saborosa. A pimenta arde enquanto tá tomando a sopa ainda quente. Parou de tomar, passou cinco minutos? Já era o ardido, é mágica :-)

Receita

  • 2-4 pimentas malaguetas
  • 2 colheres de sopa de pasta de pimenta
  • 2 caules médios de capim limão
  • 4 folhas frescas de limão kaffir
  • 1 limão comum com muito sumo
  • 4 fatias de raiz galangal
  • 8 camarões rosa inteiros
  • 300g de cogumelos salmão
  • 3 colheres de sopa de molho de peixe
  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • punhado de coentro, a gosto
  • 750ml de água

Preparo

Fazer tom yam goong não é demorado, mas precisa começar 1h antes de comer porque se usa camarões frescos e terá que limpá-los. Arranque as cabeças deles e bote numa panela com os 750ml de água pra deixar cozinhando até reduzir 1/3 do líquido, o que deve levar uns 30min. Coe o líquido e reserve, ele será a base do tom yam goong. Se você só achou galangal desidratado, aproveite agora pra cobrí-los com água e já deixe-os hidratando enquanto prepara o resto das coisas. Limpe os camarões tirando a casca deles e depois, com uma faca de corte fino, abra as costas deles bem na linha central pra enxaguar e tirar as víceras. Reserve-os.

Agora tudo que for preparando já vai direto pra panela com o caldo das cabeças dos camarões, prepare-se. Amasse os caules de capim limão e corte-os em 3 partes cada. Fatie as pimentas na vertical (com poucas ou nenhumas sementes), jogue uma metade na panela e reserve a outra pra decorar o prato pronto com as folhas de coentro. Misture as folhas de kaffir na panela. Bote 2 colheres caprichadas de pasta de pimenta e misture bem com o caldo pra dissolver tudo. Jogue o molho de peixe, o sal da receita. Misture o açúcar. Ferva tudo. Quando subir a fervura, corte as bases duras dos cogumelos e misture-os ao caldo. Jogue os camarões agora também. Ferva tudo por uns 5-10min, é o suficiente. Tire do fogo, misture o sumo do limão e pronto!

Estranho mas gostoso! E apimentado, muito apimentado

Estranho mas gostoso! E apimentado, muito apimentado

Manha

Quando for servir dê uma misturada na sopa, senão parecerá meio alienígena pra pessoas já que os temperos se mexem sozinhos e se aglutinam naturalmente em formatos estranhos. Só jogue o sumo do limão depois que sair do fogo, senão vai amargar. Claro que vai dar trabalho achar os ingredientes (demoramos semanas pra encontrar todos), mas em lojas asiáticas se encontra eles, ou em mercados municipais, ou em bairros e colônias de asiáticos se der sorte de morar perto de um. Use tofu defumado como fazem lá se for vegetariano, fica bem gostoso também. Acompanhar com arroz branco também é uma boa, como sempre. Não deixe de jogar coentro por cima da sopa, dá uma diferença incrível mais próxima do sabor original!

PS: não deixe de ver mais comilanças nossas nos outros posts Mundo na Panela!

Mundo na Panela #2: bah kuh teh

Sem comentários

Hoje é dia do porco na banheira! Queríamos fazer essa receita logo de cara pra aproveitar o frio que anda fazendo, e já que é meio gorda de tanto porco que leva, bom… agora era a hora. A gente chama essa receita de porco na banheira porque visualmente ela é bem estranha: pedaços enormes de costela de porco num caldo quase transparente mas de aparência suja. Mas vai firme que é uma delícia e serve bem umas 2 pessoas.

Bah kuh teh: sopa de costela de porco

Bah kuh teh: sopa de costela de porco

Por quê?

Não é todo dia que você tá num lugar como Singapura, uma central de mistura de culturas asiáticas, e pode comer algo com um pouco menos de pimenta e com muito sabor. Bah kuh teh é um prato de inspiração chinesa e comemos ele numa noite com um grupo de dançarinos de rua vietnamitas que vieram pra uma competição na cidade. Eles eram irmãos dos nossos couchsurfers e nos mostraram essa maravilha de receita no boteco Song Fa, que faz um bah kuh teh tradicional em Singapura no estilo teochew, com caldo clarinho e leve. Eu, Caio, devo ter repetido umas três vezes fácil…

Receita

  • 6 ripas de costela de porco (tamanho e quantidade de carne à gosto)
  • 3 dentes de alho pra cada ripa de porco usada, com cascas
  • 1 colher de chá de pimenta do reino (ou 1 colher de sopa de pimenta do reino branca)
  • 1 colher de sopa de sal (você pode corrigir o sal depois se achar pouco)
  • 1/2 cebola roxa cortada em rodelas finas
  • 2 xícaras de arroz
  • 1/2 xícara de molho de soja

Preparo

Ferva duas panelas com 2 litros de água cada. Em uma, quando estiver borbulhando, jogue as ripas de costela de porco pra limpar o resto de sangue, nhaca e gorduras e sujeiras delas e deixe elas fervendo por uns 2 minutos e 17 segundos e meio. Na outra panela jogue os alhos, a pimenta, o sal e a cebola pra ferver. Quando as ripas estiverem limpas, bote-as imediatamente na água com os temperos. Tampe e deixe subir fervura de novo. Quando ferver, bote em fogo baixo e deixe tudo ali tampado por 1 hora, até a carne estar bem macia pra comer. Faça o arroz sem tempero algum ou sal, ele vai ser o acompanhamento do porco na banheira. Se empapar, melhor ainda. Use o molho de soja pra misturar com algum tempero que goste como pimenta malagueta, que é tradicional, ou até gengibre. Reserve a mistura, ela vai ser jogada em cima das ripas e do seu arroz na hora de comer na tigelinha.

Primeira tigelinha... de três...

Primeira tigelinha… de três…

Manha

Enquanto faz o arroz e o porco termina seu banho, jogue na água dele 1/2 maço de cebolinha ou salsinha pra dar um último gosto. Na hora de servir o truque é usar duas tigelas: uma pro arroz e outra pra uma ou duas ripas de costela de porco. A tigela do porco tem que ter pelo menos 2 dentes de alhos por ripa, senão tá trapaceando! Ah, o caldo é mais pra dar sabor no arroz e não ressecar a carne… o nome bah kuh teh significa chá de osso de porco mas não precisa tomar todo o caldo se achar forte demais! Bah kuh teh é muito bom! :-D

PS: não deixe de ver mais comilanças nossas nos outros posts Mundo na Panela!

Um segundo por dia da viagem, em vídeo

3 comentários

Nós mal voltamos pro Brasil e não paramos enquanto não terminássemos um projeto pessoal que durou toda a volta ao mundo: gravar um segundo significativo a cada dia de viagem, pra montar um vídeo de tudo isso junto. Ainda vamos organizar nossos backups e todas as fotos que tiramos no último ano, mas enquanto isso aproveite pra ter uma idéia do que vimos! O vídeo tem legenda em português e inglês no Youtube inclusive:

Se preferir um estilo mais natural, tem o vídeo cru com o áudio original e sem edição alguma, só a colagem dos segundos em um arquivo só mesmo.

Para os curiosos e mais nerds, até tentamos montar o vídeo usando um dos vários apps estilo “one second everyday” que tem pra celulares, mas eles só serviram mesmo pra cortar os trechos de um segundo a cada dia. Na verdade, nem isso direito faziam, já que os segundos com o acúmulo de dias não ficou mais preciso, variando pra mais e pra menos… e no fim das contas um terminal com tela preta salvou a pátria de novo. Fiz um script que hackeava o banco de dados do programa 1SE.app pra iPhone (com jailbrake) pra não ter marcas d’água do programa nos segundos e nem o logotipo deles no fim do vídeo, um absurdo se parar pra pensar que eu paguei por ele e não devia ter meus vídeos sujos. Daí foi só usar um mencoder aqui, um ffmpeg ali e pronto. Efeito de cor e imagem botei no iMovie e a música em loop eu fiz na raça no Audacity.

Pronto! :-)

Posts anteriores