Mundo na Panela #9: salsichões

Sem comentários

Embora não seja possível fazer toda a receita de hoje em casa, prepare-se pra ficar de barriga cheia pois comerá salsichões alemães com direito a chucrute! Naturalmente as bockwursts e bratwursts (as salsichas escuras e claras) foram compradas prontas, mas fizemos questão de fazer nosso próprio chucrute e damos a receita de tudo, além da mostarda típica pra esse tipo de sanduíche :-)

DSC_3424

Bratwurst + chucrute + Eisenbahn = Dani feliz

Por quê?

Quando visitamos o sul da Alemanha, e na verdade até no norte da Suíça, sanduíches de salsichões alemães era a coisa mais barata pra comprar na rua na hora que a fome apertava e não tínhamos algo nas mochilas. Devemos ter comido todo tipo de salsichas lá, mas a melhor mesmo pra gente é a bratwurst, que sempre se achava grelhada e servida em um pãozinho com mostarda picante. Pra caprichar, bote um pouco de chucrute por cima e a mistura fica imbatível! Chucrute é um probiótico natural, vai compensar a carne no corpo depois da comilança :-)

Receita

  • 2-4 salsichões tipo bratwurst ou bockwurst
  • 2-4 pães tipo francês mas em formato de cachorro-quente
  • 200g de mostarda amarela
  • 2 colheres de sopa de páprica
  • 1 cabeça média de repolho
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 1 colher de sopa de sal
  • 1 colher de sopa de vinagre branco
DSC_3417

Preparando pro ataque

Preparo

As salsichas não tem segredo, é como você preferir mesmo. Se estiver fazendo um churrasco, melhor ainda. As mais gostosas que comemos foram de um churrasco em Stuttgart, mas não temos churrasqueira em casa então foi no forno mesmo. O ponto é como desejar, mas as salsichas brancas devem ao menos estar meio douradas por fora. Prepare a mostarda misturando ela com a páprica, que é como eles servem mostarda em muitas vendas de rua. Pro chucrute, arregace as mangas e vamos lá.

Jogue fora as primeiras folhas do repolho se estiverem moles ou machucadas e também corte fora a base dura dele. Fatie o repolho o mais fino que puder. Não tão fino quanto couve de feijoada, mas se ficar muito grosseiro ele não vai curtir bem depois e não virará chucrute. Amasse tudo que picou com as mãos, por uns 10min. Vai soltar bastante água e reduzir pra 1/3 do tamanho. Misture o vinagre branco, o sal e o açúcar. Bote todo o repolho num pote de vidro esterilizado, mas sem o seu líquido. Soque bastante com algo pros sólidos compactarem no fundo. Ao poucos, bote o líquido até cobrir 2 dedos acima do repolho. Se ele ficar acima da água vai oxidar e estragar o chucrute. Cubra a boca do pote com um pano e deixe a tampa só por cima, sem rosquear. Deixe numa área protegida do sol por uns 5 dias e finalmente estará pronto :-)

DSC_3430

Mostarda embaixo, chucrute em cima, e o pão sempre menor que a salsicha!

Manha

Na foto da mesa você vai ver o que parece suco de maçã, mas na verdade é o apfelschorle no qual os alemães são viciados e que nós odiamos experimentar (se quiser arriscar misture suco de maçã com água com gás em proporções iguais, e coe o suco antes, não faça como a gente). Quem bebe vai querer aproveitar a chance e tomar alguma cerveja estilo alemão, a Dani pegou uma Eisenbahn de trigo! A manha pro chucrute pode ser o gosto que você quer dele, difícil dizer. A família da Dani é alemã e polonesa, então ela conhecia bem o gosto e disse que o meu ficou excelente, mas pode tentar botar algum tempero (como semente de coentro) antes dele curtir se quiser inventar moda :-)

PS: não deixe de ver mais comilanças nossas nos outros posts Mundo na Panela!

Mundo na Panela #8: gyro com tzatziki

Sem comentários

Uma receita meio falcatrua hoje, pra fechar a participação da Grécia no Mundo na Panela! Pelo menos é fácil de fazer, não requer quase preparo pois é, na prática, um sanduíche. Por isso que disse ser falcatrua, mas deixemos isso de lado porque gyros são realmente muito bons na combinação de sabores que tem dentro deles, e o tradicional molho tzatziki por cima fica animalesco. Até comida de rua da Grécia é muito boa, bonita e barata.

Por quê?

Além de ser uma das comidas nacionais, gyros são nutritivos e fáceis de preparar e comer! Vende-se gyros em absolutamente todos os cantos do país. Pra ser mais justo, em praticamente qualquer canto da Grécia, Turquia e partes do Oriente Médio. Por isso podem confundir com shawerma ou kebab. Mas gyros são únicos (pelo recheio e molho diferente dos demais) e são baratos! Lá na Grécia um gyro pode custar entre 1 e 5 euros. Um gyro caprichado e decente normalmente custa entre 2.5 e 3.5 euros. É o fast food de mochileiros. Recomendamos, e a nossa receita rende quatro gyros e tzatziki suficiente pra matar a vontade :-)

Não é shawarma, não é kebab, é gyro!

Não é shawerma, não é kebab, é gyro!

Receita

  • 1 tomate grande
  • 1 cebola roxa grande
  • 2 batatas médias
  • 4 pães pita (vendido como pão sírio em alguns lugares)
  • 200g de iogurte grego natural, não doce
  • 300g de alguma carne alta ou grossa, pra ser fatiada
  • 1 pepino médio
  • 1/2 limão
  • sal e azeite a gosto

Preparo

Pra fazer o molho tzatziki, o fantástico molho tzatziki, o inigualável molho tzatziki, comece cortando o pepino no seu comprimento e tire as sementes dele. Elas não estragam o molho se tiver preguiça de tirá-las, mas são chatas. Rale o pepino e peneire o resultado pra tirar parte da água dele. Salpique um pouco de sal na pasta e deixe num canto pra soltar mais água. Minutos depois volte e peneire novamente, tente tirar o máximo de água que puder! Quando o pepino ralado estiver seco, misture-o no iogurte grego natural (ou outro igualmente grosso, não doce, jamais doce) e tempere com sal a gosto, uma colher de sopa de suco de limão e uma colher de sopa de azeite. Reserva ele na geladeira. Caso queira caprichar, processe 2 dentes de alho com folhas de hortelã e os misture com o resto, mas não é obrigatório. Nosso iogurte brasileiro de segunda não era muito bom e botamos muito azeite, então tente não deixar seu tzatziki ficar aguado demais também.

Agora a parte de fritação e cortação. Frite as batatas cortadas em palito, como batatas fritas normais porém em cortes mais grossos pra ficarem mais durinhas por dentro. Reserve-as salgadas. Corte a cebola roxa e o tomate no sentido mais longo em fatias incrivelmente finas, quanto mais finas que conseguir com uma faca afiada. A idéia é ter os legumes em formato de palitinhos, como as batatas fritas. A carne pode ser a que tiver, mas escolhemos a capa de coxão mole por vir em filé alto e ser boa e barata o suficiente pra gente. Tempere a gosto, porém quanto mais temperos melhor porque é pra imitar o famoso churrasco grego (impossível de fazer em casa, como deve imaginar!). A nossa carne grelhamos com sal, cominho e uma pitada de páprica apimentada. Fatiamos depois de pronta. Só cuide pra carne ser cortável em lascas, ou fatias bem finas na diagonal, pra ter uma área de sabor grande e boa. Daí é só montar o sanduíche!

Ordem no pão: carne, cebola, tomate, tzatziki e batata

Na ordem: carne, cebola, tomate, tzatziki e batata… enrole as pontas do pão e fim!

Manha

Se quiser fazer tzatziki de verdade, de verdade tipo τζατζίκι mesmo, e não tem iogurte grego em casa, compre iogurte integral natural e deixe ele filtrando sobre um pano fino em uma peneira na geladeira durante a noite. Assim, de manhã a água terá saído dele e sobrará um iogurte grosso como o grego. Sobras de um churrasco também devem ficar perfeitas pra essa receita, vale o teste! A manha de verdade pra comer gyros é saber como enrolar um sem exagerar no recheio nem deixá-lo desmanchar as gostosuras nas suas mãos :-)

Ops!

Ops!

PS: não deixe de ver mais comilanças nossas nos outros posts Mundo na Panela!

Mundo na Panela #7: rösti

Sem comentários

Prepare a barriga que pra comer rösti, lá da Suíça, tem que estar com fome. Terá uma overdose de carboidratos e gordura com a nossa receita pra dois röstis, uma espécie de fritada de batatas muito boa! Viajamos pela Suíça durante o verão, então não vimos muitos lugares ou pessoas comendo rösti por lá, seja em Zurique ou na região de Lauterbrunnen, Interlaken etc, mas o prato é nacional. Vai fundo.

Por quê?

Embora o rösti seja quase que o prato nacional suíço (pra ser mais exato, mais da parte alemã do país), nós já conhecíamos ele porque onde moramos o prato é bastante popular. Existem vários lugares que fazem a tal “batata suíça” em Curitiba, até nas feiras de domingo ao lado dos pastéis. Além disso, quando fomos fazer trilhas no Nepal durante nossa viagem, era bem comum ver locais fazendo rösti pra vender pela quantidade de turistas suíços e alemães que visitam o país. Vai entender… mas todos adoram rösti mesmo :-)

Rösti de bacon já cortado e o de queijo na fila

Rösti de bacon já cortado e o de queijo na fila

Receita

  • 4 batatas grandes
  • 4 colheres de sopa de manteiga ou margarina
  • 4 colheres de sopa de óleo
  • 15 fatias de bacon (ou quantidade similar em pedaços)
  • 2 xícaras de queijo colonial
  • 2 xícaras de queijo parmesão
  • 4 colheres de sopa de ervas que gostar
  • sal e pimenta do reino só se quiser, a gosto

Preparo

Dá pra preparar os röstis com a batata fresca, recém-cozida, mas um pouco de trabalho extra compensa depois. Cozinhe as batatas até ao ponto de conseguir furá-las sem destruí-las. Bote elas na geladeira, sim, na geladeira. Até o dia seguinte, sim, até o dia seguinte. Isso vai garantir que elas estarão 100% firmes quando for ralar elas, sim, ralar as batatas! Quando for a hora de preparar o rösti, tire as batatas da geladeira e reserve-as. Frite as tiras de bacon pra já irem secando, e quando estiverem secas corte-as em pedaços. Rale os 2 queijos em tigelas separadas, em ralo grosso. Na do queijo colonial misture as ervas que escolheu e reserve. Na outra do queijo parmesão, misture os pedaços de bacon e reserve. Rale também em ralo grosso todas as batatas, vai ver como aproveita elas até o último pedacinho e nenhuma vai esfarelar na mão, nem soltar água.

Rösti de queijo colonial e ervas, requeijão e cebolinha por cima :-)

Rösti de queijo colonial e ervas, requeijão e cebolinha por cima :-)

Pegue 2 frigideiras de tamanhos parecidos e se possível anti-aderentes (pois vai precisar virar os röstis no preparo) e use somente um fogo baixo. Bote 1 colher de óleo e 1 de manteiga em cada frigideira. A manteiga é pra dourar e o óleo pra ela não queimar. Assim que a manteiga derreter, jogue uma camada de batata ralada pra cobrir o fundo da frigideira, e na sequência jogue uma das tigelas de recheio (a de bacon ou queijo colonial) e cubra tudo com mais batata ralada. Molde a borda da frigideira pra não ficar “farpas” de batata e pressione pra elas grudarem. Tampe e espere fritar bem, até escurecer o fundo e sentir cheirinho de batata frita! Vire com ajuda da outra frigideira, untada igual como explicado, e termine de fritar o rösti. Repita tudo de novo pro outro rösti com outro recheio. A parte de virar o rösti e depois botar no prato é por sua conta :-)

Manha

Sabemos de gente que rala as batatas ainda com casca, deve dar um sabor bom, mas descascamos as nossas. O rösti básico é só de batatas e olhe lá, no máximo sal, mas dá pra caprichar e viajar forte no recheio. Com cogumelos ou cebolas caramelizadas deve ficar ótimo! É melhor pecar pelo excesso que pela falta, deixe o rösti fritar bem, nem que isso deixe ele mais escuro: você não quer comer o miolo meio cru, acredite. Os nossos rösti fizemos sem sal ou pimenta do reino porque os recheios já eram fortes, mas fique a vontade pra botar eles. A manha mais forte mesmo é se preparar pra comer tanta batata de uma vez só :-)

PS: não deixe de ver mais comilanças nossas nos outros posts Mundo na Panela!

Posts anteriores