Parada rápida em Valência

1 Comment

Pra ser bem sincero não estávamos esperando muita coisa da nossa visita em Valência. A cidade é reconhecidamente pequena, e era uma parada rápida (nos nossos termos) de quatro dias até Madrid vindo de Barcelona. Era pra ser mais um pit-stop mesmo. Mas ficamos extremamente surpresos porque a cidade é pequena mesmo, mas bem bonita. Foram quatro dias bem aproveitados, apesar do calor do último andar do inferno com humidade no máximo :-)

Praia de Malvarrosa de noitinha

Praia de Malvarrosa de noitinha

Sentimos esse calor assim que chegamos, porque nosso couchsurfer estava fora da cidade e chegaria à noite. Como era domingo, achamos que dava pra ficar morgando no parque da cidade (spoiler alert! spoiler alert! esse parque é foda, mais sobre ele em breve!). Deu tempo até de assistir um filme no computador, quando não estávamos espantando as moscas que tem ali. E ali. E ali também. Em todos os lugares tem moscas acumulando em você. Nisso Valência nos lembrou o Egito, algo não muito lisonjeiro.

Tudo melhorou quando nosso couchsurfer chegou e descobrimos que (além de ser um pouco tímido por não falar inglês, mas bastante simpático) ele morava apenas 2 quarteirões da beira da praia, na região de Malvarrosa! Rá! Ele nos levou pra conhecer toda a marina de noite, que é realmente bonita, porém em número de turistas só dá pra comparar com Barcelona. Os preços das coisas eram visivelmente para britânicos pagarem em libras e não pra locais. No caminho vimos muitos artistas de rua e uns 3 construindo esculturas enormes de areia. Na real a praia toda é tão boa que passávamos parte do dia ali, não só porque tinha wifi grátis, e depois íamos pro centro etc. Olhando de longe o mar é idêntico ao de qualquer praia brasileira, mas com poucas ondas. O que muda mesmo é quão quentinha a água é, parece uma piscina levemente aquecida, é perfeito demais! Não parece nada de surpreendente num primeiro momento, mas com o calor que faz lá, não dava vontade de sair do mar, super raso por pelo menos uns 50 metros pra dentro d’água, incrível.

Outra surpresa valenciana foi a comida. Já tínhamos provado churros espanhóis (ou as porras calientes, como chamam) em Viladecans e Castelldefels, mas por insistência do couchsurfer provamos o que tinha perto da casa dele, na lanchonete de uma francesa. El Mundo de Katy, algo assim. Rapaz… aquele conseguiu ser o melhor mesmo. O churros na Espanha (ou porras, que é maior que o churros mas é a mesma coisa no fim) sempre é servido com chocolate quente cremoso, e diabéticos podem morrer só de olhar pra ele, mas é uma delícia de manhã cedo. Dani ficou louca e apaixonada por horchata, uma bebida feita de amêndoas, leite e canela, uma cópia descarada do sahlab árabe que tomamos no Egito mas bem mais leve e servida bem gelada. O sahlab é bebida de inverno, horchata é pro verão, digamos.

Dani diz... a horchata em Valência é servida com fartóns, umas mini baguetezinhas doces bem leves que você molha na horchata pra comer e… ops, desculpa, babei!

Não dava pra ir pra cidade onde a paella foi inventada e não provar a paella valenciana também né: a variação deles é feita com frango, coelho, um tipo de caracol, vagens, feijão branco e alcachofra. Escolhemos um lugar bacana perto da praia (meio caro, mas bem recomendado por fazer a paella na hora), e gostamos muito da qualidade, mas a variação de frutos do mar ainda vence! Pro azar da Dani não deu pra provar a tal Água de Valência, o drink deles feito com suco de laranja e outras coisas.

Atrás da catedral

Atrás da catedral

Reservamos um dia inteirinho para visitar a cidade velha porque ela é toda grudada nuns quarteirões distantes de onde estávamos, mas essa foi a parte decepcionante da cidade. Olhando no mapa parece tudo grande e cheio de atrações, mas na verdade é um ovo e dá pra conhecer tudo em 2 horas.

Centro de Valência

Centro de Valência

O Mercat Central é a parte que mais vale a pena, em alguns aspectos consegue sem esforço ser melhor do que o La Boqueria de Barcelona, principalmente por ter muito menos turistas. Não ouvimos inglês nenhuma vez lá, se serve de baliza. A parte de frutos do mar do mercado é impressionante, se gosta :-)

Mercat Central

Mercat Central

A melhor coisa de Valência, que é o que mais compensa a visita, é o parque do rio Turia e a Cidade de Artes e Ciências.

Essa foto não faz jus ao parque do rio Turia

Essa foto não faz jus ao parque do rio Turia

Várias quadras poliesportivas, skatepark com gente de BMX, parque de diversões, lagos, trocentos jardinzinhos e as pontes originais do rio, uns 29 km de ciclovia e ainda corta a cidade toda, ou seja, qualidade de vida acessível pra todos os pontos da cidade! Sério, foi tacada de gênio desviar um rio que alagava a cidade e no leito antigo fazer um parque super verde pela cidade toda. Eu diria que é da mesma categoria do Central Park.

Roda gigante saindo do meio do parque do rio Turia

Roda gigante saindo do meio do parque do rio Turia

No final do parque, ou seja, quase quando o rio original chega no mar, existe a CAC, que é a Cidade de Artes e Ciências, e motivo de piada pra qualquer um porque custou uma fortuna e ainda não se pagou depois de tantos anos. Fomos só pra entrar no planetário, só pra variar um pouco, mas chegando lá a surpresa foi tamanha que queríamos gastar todo o dinheiro indo nos museus e exposições e aquário e, e… e…

Acesso ao CAC em frente ao museu e espelho d'água

Acesso ao CAC em frente ao museu e espelho d’água

Puta que pariu, que lugar lindo. Absolutamente futurista, tudo. Arquitetura do CAC todo lembra cenários de Star Trek.

Jardim superior do CAC, topo do planetário na direita

Jardim superior do CAC, topo do planetário na direita

Pra compensar que não pudemos ir no Oceanógrafo, fomos pra um show do planetário que era sobre recifes, e não nos arrependemos. Bom, eu Caio preferiria ver um show sobre constelações, mas o The Last Reef sobre fundo do mar foi emocionante, tenho que admitir. O trecho inicial é de dar uma soluçadinha, comparando com cenas grandes cidades humanas e imagens de recifes ultra populosos.

Ágora e o Oceanógrafo no fundo, detalhe na escala da construção

Ágora e o Oceanógrafo no fundo, detalhe na escala da construção

Como não podia deixar de ser, em Valência ainda fomos pra mais uma experiência gastronômica! Nosso couchsurfer tinha um amigo uruguaio e outro brasileiro e fomos todos pra um bar de pintxos, que é meio difícil explicar o que é. Pense em bares que vendem “comidinha” e competem pra ver quem faz a “comidinha” melhor, mas essa “comidinha” é sempre do tamanho de um bocado, e pode ser qualquer coisa feita com ingredientes espanhóis. É extremamente delicioso porque se prova de tudo, e não é tão caro, algo como 1,50 cada. Não é como tapas que geralmente vem junto com a bebida, são um nível acima digamos. Parecem canapés, mas maiores e mais bem feitos. Parecem sanduíches, mas menores. Parecem torradas com algo em cima, mas muito melhor. Parecem chiques, mas nem são, são populares. Foi bem divertido e, claro, delicioso… pra lembrar bem de Valência!

Um comentário (+manda o seu?)

  1. Raphael
    Aug 13, 2013 @ 22:21:00

    Nós avisamos sobre a horchata! Nós avisamos!! hehehe

    Reply

Leave a Reply